Correio do Minho

Braga, segunda-feira

- +

Nós Portugueses

Escrever e falar bem Português: Desafio

Ideias

2014-01-23 às 06h00

José Manuel Fernandes José Manuel Fernandes

Cristiano Ronaldo recebeu das mãos do Presidente da República o grau de Grande Oficial da Ordem do Infante D. Henrique. Não há dúvida que é o português mais conhecido no Mundo e é um excelente embaixador de Portugal. A homenagem do Presidente da República, cuja decisão é anterior à atribuição do título de melhor jogador do Mundo em 2013 - Bola de Ouro - a Cristiano, é justa e merecida.
O Cristiano Ronaldo é um exemplo de que vale a pena sonhar, acreditar, ter ambição, persistir, dar o melhor de si e colocar em cima do talento inato muito, muito trabalho. Subiu a pulso. Não nasceu nem num berço de ouro, nem teve a sua formação desportiva num Real Madrid, Barcelona ou Manchester United. Mas reconheço que aprendeu, evoluiu, ganhou dimensão planetária no Manchester United e no Real de Madrid. Não se esquece dos seus, das suas raízes, nem da sua Terra. Isso mesmo demonstra o seu inabalável orgulho na família e a construção do Museu CR7 na Madeira. Ronaldo investiu cerca de um milhão e meio de euros a construir o museu. Será mais um factor de atractividade económica para a Madeira. Não faltarão turistas a visitar o museu e os 127 troféus, individuais e colectivos - incluindo as “Bola de Ouro” conquistada em 2008 e 2014. A família é um suporte e sente-se que ser Pai o tornou mais maduro. É humilde e reconhece os erros, como evidencia quando confessa: “Não sou perfeito, sou um ser humano de carne e osso, como todos. Choro, rio e tenho os meus problemas. Com a idade aprende-se com os erros. Tanto mudamos no terreno de jogo como na vida.”
Cristiano - que também fez questão de investir no Minho e usufruir das maravilhas do Gerês - é um ícone Mundial, uma marca de enorme valor. Mas é um dos nossos, revela simplicidade e um grande humanismo. Foram precisas as “lágrimas de ouro” para alguns renitentes o reconhecerem e passarem a admirar.
No mundo e em Portugal temos muitos Cristianos, ainda que menos mediáticos. Neste mundo global e super competitivo, o sucesso dos Portugueses deve ser sempre motivo de orgulho, sobretudo quando não se esquecem das raízes. Felizmente, na investigação científica, na arte, na cultura, na arquitectura, na literatura, na economia, no empreendedorismo… temos Portugueses que pedem meças em termos mundiais. Também na política e em cargos internacionais de prestígio. Na UE, temos na Comissão Europeia o Dr. Durão Barroso. Este facto tem sido importante e proveitoso, apesar de nem sempre tal ser perceptível. O Alto-comissário das Nações Unidas para o Refugiados é António Guterres, liderando uma das principais agências humanitárias do mundo.
Temos excelentes instituições de ensino, empresas nas áreas tecnológicas, serviços, construção civil. Somos líderes incontestáveis na cortiça, com 160 mil toneladas anuais de produção. O sector agrícola e agro-alimentar está em crescimento.
Nós, portugueses, nem sempre percebemos a nossa força. Temos de tirar partido do potencial de Portugal e dos portugueses.
Somos maiores do que pensamos. Ainda não percebemos que temos a maior Zona Económica Exclusiva da União Europeia (a ZEE corresponde à zona marítima que vai até 200 milhas da linha de costa e sobre a qual os respectivos Estados costeiros têm direitos sobre todos os seus recursos; a ZEE de Portugal equivale a 18 vezes a área total do país). Esquecemos a nossa diáspora espalhada pelos 4 cantos do mundo e temos a língua portuguesa que é falada por mais de 280 milhões de pessoas.
Fomos pioneiros e um dos principais responsáveis da globalização. Não podemos ter medo dela!
Na verdade, nos séculos XV e XVI, fomos no Mundo os grandes conquistadores, demos novos mundos ao Mundo. Temos de continuar!
Temos de valorizar os nossos talentos, e não esperar que os jovens sejam reconhecidos fora do País, para depois terem algum crédito cá dentro. Temos de valorizar o mérito e condenar a inveja.
Somos um povo trabalhador, que se desenrasca, improvisa, aprende rápido, se integra depressa, cumpre com os deveres.
Temos um enorme Portugal, seguro, com um clima excelente, bons serviços, equipamentos e infra-estruturas, uma excelente gastronomia.
Bem sei que nem tudo está bem! Mas todos temos de sonhar e ambicionar triunfar, continuar a desbravar terras, explorar mares ainda não navegados e não ter medo da palavra sucesso.

Deixa o teu comentário

Últimas Ideias

16 Dezembro 2019

A minha universidade

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.