Correio do Minho

Braga, quinta-feira

O outro lado da comunicação

A União Europeia e os Millennials: um filme pronto a acontecer

Escreve quem sabe

2013-12-29 às 06h00

Joana Silva

A comunicação diz muito do que se é. Repare à sua volta , com certeza que já se deparou com pessoas que estão em permanente conflito com as outras , o que se diz no senso comum “não se dá com ninguém”, outras porém tem subtileza nas palavras que utilizam, outras são submissas que na gíria popular significa “dizer amém a tudo”.

Umas são distantes outras mais acessíveis. Tudo depende do estilo de comunicação de cada um. Um estilo de comunicação traduz-se num conjunto de atitudes face a determinado contexto. Existem quatro estilos comunicacionais: o agressivo, o manipulador, o passivo e o assertivo. Ao longo do dia podemos utilizar os quatros, no entanto há sempre um que é mais vincado na personalidade. Por forma a clarificar, frequentemente na área profissional tendemos a ter um estilo passivo, a fim de se a assegurar o emprego. Agressivo, a quando um dia mau e se verbaliza algo menos bom a quem nós gostamos muito e que não é sequer responsável pela situação ocorrida. Assertivos quando dá-mos um conselho a um amigo que não parece querer “ver a realidade de algo”. Manipuladores quando se “chama a atenção” de uma forma mais irritada um filho por exemplo, e eis que o telemóvel toca, ao atender-se altera-se para um discurso agradável e simpático. Se um adulto parece saber utilizar melhor as palavras relativamente aos contextos no qual está inserido um adolescente pode ter mais dificuldades. Um adolescente de estilo agressivo, é aquele que parece andar “sempre de mal com a vida” e mal-humorado.

É duro e crítico nas palavras, não valoriza sentimentos (quando expressa palavras menos agradáveis) e opiniões pois acha que já “sabe tudo”. A agressividade é de facto um mecanismo de defesa, isto é, o seu maior desejo é ser apreciado pelos outros mas ocorre o efeito contrário, não consegue manter amizades sentindo-se frustrado. Cabe aos pais serem firmes e dialogarem pacificamente, patenteando ao mesmo tempo que da agressividade advém dissabores. Um adolescente manipulador, apresenta por norma discursos e opiniões diferentes, consoante as pessoas, e faz as suas interpretações pessoais. Tira partido e manipula a informação que dispõe, para atingir os seus interesses. Aqui os pais não devem ceder às exigências, devem explicar o risco da perda de amizade e consideração dos outros. Tomando por analogia, o conto infantil “Pedro e o lobo”, o jovem manipulador pode ser perdoado pelos pais mas dificilmente o é pelos amigos (sentem-se usadas) sendo neste sentido o discurso que os pais devem ter a fim de orienta lo. Um adolescente passivo, tem dificuldade em dizer não, é muito sensível à opinião dos outros, receia decepções.

Este jovem tende a ter um comportamento dualizado no convívio com os amigos mostra se submisso em contrapartida em casa tende a “explodir” os ressentimentos canalizados ao longo do dia com a família. Quem tem este estilo, é susceptivel a bullyng. Os pais aqui devem encoraja-lo a expressar as suas opiniões e decisões sem ter receio das reações dos amigos. O estilo assertivo é o desejável. Ninguém nasce assertivo, é uma questão de treino. Este respeita as opiniões dos outros, pronuncia-se de forma serena e construtiva sem nunca se magoar a si ou aos outros. Ninguém é igual a ninguém mas é indubitável que comunicar mos de forma assertiva seremos mais bem sucedidos em todas as áreas da nossa vida.

Deixa o teu comentário

Últimas Escreve quem sabe

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.