Correio do Minho

Braga,

- +

O Pensamento Religioso de Baden-Powell

Corrupção e impacto na economia

O Pensamento Religioso de Baden-Powell

Escreve quem sabe

2020-05-08 às 06h00

Carlos Alberto Pereira Carlos Alberto Pereira

«O homem de pouco vale, se não acreditar em Deus e obedecer às suas leis. Por isso todo o escuteiro deve ter uma religião.»
Baden-Powell, in Escutismo para Rapazes, p. 287.

Aproveitando esta citação de Baden-Powell, utilizada na última crónica, onde, a propósito de São Jorge - patrono Mundial do Escutismo – iniciamos uma breve apresentação do pensamento religioso do fundador a que queremos dar continuidade.
Baden-Powell era um batizado e por isso escreve em “A Caminho do Triunfo”: «Deus Criador é reconhecido pela maior parte das diferentes confissões religiosas que, não obstante, divergem quanto ao verdadeiro caráter das relações do Criador com a alma humana» e «Na crença cristã tem-se por certo que Jesus Cristo veio viver entre os homens para lhes mostrar e fazer sentir que Deus é Amor e que os sacrifícios de oferendas feitas a Deus nas velhas religiões supersticiosas não eram tanto o que era preciso como o sacrifício da própria pessoa ao serviço de Deus.» (p. 196, edição de 1974).

Para o fundador, a religião (qualquer que seja) e o escutismo devem compenetrar-se intimamente e enriquecerem-se mutuamente. A religião será a base do escutismo e dar-lhe-á uma alma. O escutismo, nas suas vivências e atividades, fará passar a religião na vida. Assim, escreve no prefácio da 14ª edição inglesa do “Escutismo para Razes”, de 1923: «O fim da educação escutista, é substituir as preocupações do “eu” pelas do “serviço”, tornar os jovens verdadeiramente fortes, moral e fisicamente, e dar-lhes a ambição de colocar a sua força au serviço da comunidade. Nós não temos, no nosso movimento, nenhuma visão militarista. Não fazemos este tipo de exercício. Assumo o ideal de servir os nossos semelhantes. Por outras palavras, nós procuramos colocar o cristianismo em prática na vida e nos atos de cada dia, e não somente em professar as doutrinas ao domingo.»

O fundador nunca definiu este “cristianismo prático”. Aliás, sabemos que tinha pouca confiança nos textos sistemáticos que considerava, em muitas circunstâncias, redutores. Por isso, não vale a pena trilhar percursos que muitos já trilharam para encontrar uma eventual definição deste conceito, talvez, um dia, se possa encontrar um seu escrito inédito sobre a temática.
Goste-se, ou não se goste, a verdade é que Baden-Powell, apenas definiu (in “Auxiliar do Chefe-Escuta”, 1ª edição, Porto, pp. 33 – 35) quatro áreas na formação escutista: 1. Caráter, 2. Saúde e força, 3. Habilidade manual e 4. Serviço do próximo. Só muitos anos mais tarde é que foi acrescentado um novo polo: a procura de Deus.

Na estrutura inicial a questão da religião está incluída na área da formação do caráter e no capítulo que a este tema se desenvolve podemos ler, páginas 58 e 59, da obra suprarreferida: «O alargamento do horizonte começa naturalmente pelo respeito de Deus que podemos melhor designar por “Piedade”.
O respeito de Deus, do próximo, de nós próprios como servos de Deus, está na base de todas as formas de religião. O modo de expressão de piedade para com Deus varia com as diversas crenças e denominações. A crença ou confissão a que um rapaz pertence depende, em regra, da vontade dos pais. São eles que decidem. Cumpre-nos respeitar-lhes os desejos e secundar-lhes os reforços para inculcar a piedade, qualquer que seja a religião que o jovem professe.

Podem surguir dificuldades...», e B.-P. continua: «É a seguinte a atitude do Escutismo respeitante à religião (...):
a) Espera-se que todo o Escuta pertencerá a uma confissão religiosa e tome parte nos atos do seu culto;
b) Quando um Grupo se compõe de elementos de uma só crença religiosa, espera-se que o Chefe-Escuta assegure as práticas e instruções religiosas que ele, de acordo com o capelão ou autoridade religiosa, considere as melhores;
c) Quando um Grupo consta de Escutas de várias religiões, devem estes ser instigados a assistir aos atos de culto da sua própria confissão, e, em acampamentos, qualquer forma de oração diária e de culto semanal deverá ser o mais simples possível e de assistência a eles voluntária.»

E o fundador continua: «A religião “pega-se” não “se ensina”. Não é um trajo exterior para usar ao domingo. É fator genuíno do caráter do jovem, desdobramento da alma e não verniz que se descola. É assunto de personalidade, de convicção íntima e não de instrução».
No pensamento de Baden-Powell a fé transmite pelo exemplo, pela vivência de vida quotidiana do adulto e demostra-se em todas as ações praticadas, pois «a fé sem obras está morta.» (Tg 2, 26), de igual forma, «o escuteiro é ativo fazendo bem e não passivo sendo bom», in “Escutismo para Rapazes, edição de 2007”, p.288.

Deixa o teu comentário

Últimas Escreve quem sabe

09 Maio 2021

Ir atrás dos sonhos

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho