Correio do Minho

Braga, quarta-feira

- +

O primo

O plano que permitirá um Portugal mais resiliente

Conta o Leitor

2020-08-28 às 06h00

Escritor Escritor

José Händel de Oliveira

Numa das vezes que fui de comboio a Lisboa, deu-se a coincidência de viajar na mesma carruagem do Intercidades, o Abel, meu antigo colega da Universidade de Coimbra. Pareceu-me radiante em encontrar- -me pois estabelecemos uma agradável conversa que acabou por incidir nos nossos tempos de estudante. Vieram à baila os namoros daquele tempo, até que lhe perguntei como tinha conquistado a Marta, com quem sabia que tinha tido um envolvimento quase secreto. Com um ar triste, contou-me como tudo se passou. Algumas das vezes que vinha à janela do seu quarto situado num bairro de construção recente, mas ainda longe da Alta, começara a reparar numa mocinha que trabalhava afanosamente numa vivenda que ficava quase em frente ao prédio em que vivia. E tantas vezes os seus olhares se encontraram que, um dia, ela disse-lhe adeus. Até julgou que não era com ele, mas como ela repetisse o gesto, ele retribuiu. E aquela troca de olhares e de gestos amigáveis, passou a ser rotina na vida deles. Querendo avançar no relacionamento, perguntou à Maria, a empregada da casa em que tinha arrendado o quarto, e que era uma bisbilhoteira de primeira apanha, quem era aquela jovem e lhe dissesse tudo o que soubesse sobre ela. Maria não se fez de rogada e contou-lhe que a pequena se chamava Marta e já tinha 18 anos. Era sobrinha da dona da vivenda que a trouxera da casa do irmão, com o pretexto de o querer ajudar, pois tinha uma ranchada de filhos. Mas, na verdade, o que ela queria, foi ter uma empregada, a troco de lhe dar de comer e dormir. Montou-lhe o quarto numa arrecadação do quintal, que tinha uma janela e onde pôs uma cama, uma pequena mesa com um candeeiro e um velho guarda-fatos.
Abel ficou contristado ao saber desta forma de exploração e começou a vigiar as saídas da Marta, quando ia fazer compras ou recados. E um dia conseguiu encontrar-se com ela na rua e com interesse mútuo, manifestaram sentimentos que iam para lá da amizade. Nessa noite, o Abel confessou que teve dificuldade em adormecer, pois só pensava na Martinha, como ele carinhosamente lhe passou a chamar. Na beleza de que era senhora e que despontava dos seus dezoito aninhos. Adivinhava-se e até se via, debaixo das curtas saias que habitualmente usava, as suas formas graciosas e tentadoras.
E passou a haver outro ritual. Ela nunca fechava a portada da janela do seu improvisado quarto, sem que o Abel lhe dissesse adeus a que ela correspondia com um rasgado sorriso. Tantas vezes esta cena se repetiu que uma noite ela fez-lhe sinal para que fosse falar-lhe à janela. E daí, passar para dentro da arrecadação não demorou muito. O Abel, maravilhado, sentiu o entusiasmo e o ardor da Martinha, desinibida e que tantas vezes tomava a iniciativa, o que o deixava satisfeito mas completamente exausto. Havia, porém uma coisa com que tinham ter cautela. Martinha tinha dois primos, um rapaz de 16 anos e uma menina de 12 anos. O rapaz, de nome Acácio, alto e bem constituído, treinava basquetebol, em duas noites da semana, pelo que tinham que esperar que ele regressasse a casa e se acomodasse, para depois se encontrarem.
Disse o Abel que tudo corria da melhor forma, até que um colega, já depois da hora de jantar, trouxe a terrível notícia de que o Santos falecera. O Santos era um amigo muito divertido, quase conhecido de todos os estudantes. O Abel, desgostoso, logo se deslocou à “república Bamus-ó Bira”em que ele vivera. E qual não foi o seu espanto, ao entrar no átrio da casa, ver o Santos agarrado ao telefone, a dizer e a repetir, à mãe que estava de óptima saúde, deixando a senhora intrigada com o teor daquele telefonema. O Santos contou então ao Abel e a outros camaradas alertados pela notícia fúnebre, que a dona da pensão em que estivera a comer durante dois meses e nada pagara, o avisou, telefonicamente, que ia mandar lá a empregada pela última vez, e se não pagasse o que era devido, recorreria à justiça.
O Santos não tinha dinheiro, nem quem lho emprestasse, dado que se tratava de uma quantia muito elevada. Teve então a ideia de se fazer de morto, convencido que isso acalmaria a dona da pensão. Com a ajuda dos colegas preparou o cenário de um velório. E logo que o colega que estava de sentinela, avisou que a empregada da pensão se aproximava, deitou--se na cama, de batina apertada, com um pano a amarrar-lhe os queixos, como era uso fazer-se aos defuntos e esperou de olhos fechados. O quarto só estava tristemente iluminado por 4 velas, cada uma das quais colocada junto aos 4 cantos da cama. Quando chegou a empregada, uma rapariguinha muito jovem, os estudantes que estavam no átrio e que fingiam chorar, perguntaram-lhe o que ela queria e ela respondeu que queria falar com o Sr. Santos para ele pagar a conta que exibiu. Disseram-lhe que o Sr. Santos estava no quarto e que podia entrar. A mocinha decidida, entrou no quarto, mas ao ver o “morto”, deu um grito e fugiu a toda a pressa, quase caindo nas escadas. Não tardou muito tempo que a dona da pensão telefonasse a lamentar a morte do Sr. Santos, dizendo que estava tão desgostosa que já nem queria saber da conta para nada. Foi o que o Santos quis ouvir e depois foi um imenso trabalho a convencer as pessoas que iam lá a casa ou telefonavam que nada de mal acontecera. Até um Professor da Faculdade, pediu que fosse alguém a casa dele contar-lhe a partida que o Santos pregara à credora.
Com tudo isto, fez-se tarde e quando regressei a casa, já não esperava ver a Martinha. Contudo, ao passar perto da arrecadação, divisei, pelas frinchas da portada, uma réstia de luz. Resolvi, então, ir-lhe contar o que se tinha passado. Antes de bater à porta, rodei a maçaneta e a porta que não estava fechada à chave, abriu-se e eu entrei. Para meu espanto, vi o Acácio, de calças em baixo, encavalitado na prima que pela expressão, não parecia estar contrariada. Disse apenas: Bonito! E saí batendo com a porta que fez um grande estrondo, o que levou a que na vivenda se acendessem algumas lâmpadas e houve até quem viesse ver o que se passava.
No outro dia, soube pela Maria que a tia da Marta, juntamente com uma amiga, interrogaram os primos e ficaram a saber o que ambos andavam a fazer. A Marta foi logo mandada para casa dos pais na Beira Alta e o Acácio proibido de ver televisão durante um mês.
Foi esta a triste história que o Abel me contou, mas ainda antes de se remeter a um silêncio profundo que eu respeitei, me disse que apesar de tudo e esquecendo o que se passara, teve pena de não se despedir da Martinha, pois quando ela fosse a entrar no comboio que a levaria à “terrinha” lhe diria, bem alto, a seguinte quadra:
“De tantos beijos que demos/ Tu me deste, eu te dei/ Tanto trocámos as bocas/ Que nem da minha já sei.

Deixa o teu comentário

Últimas Conta o Leitor

31 Agosto 2020

A noiva

30 Agosto 2020

A despedida...

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho