Correio do Minho

Braga, quarta-feira

- +

O verbo “haver”, os primos e outros parentes

Democracia...

O verbo “haver”, os primos e outros parentes

Escreve quem sabe

2021-09-26 às 06h00

Cristina Fontes Cristina Fontes

Se usarmos o verbo “haver” como verbo principal, só o podemos conjugar na terceira pessoa do singular, pois é um verbo impessoal (ex.: “Houve dois acidentes na autoestrada.” e não: *“Houveram dois acidentes na autoestrada.”).
Se esta regra começa a ser interiorizada, tal não se pode dizer quando o verbo “haver” é conjugado num tempo composto, com o auxiliar “ter”. Deve dizer-se “Tem havido muitos acidentes na autoestrada.” e não *“Têm havido muitos acidentes na autoestrada.” O verbo auxiliar “ter” também é conjugado na terceira pessoa do singular.
O mesmo acontece quando o verbo “haver” é acompanhado de outros verbos auxiliares (ex.: “Deve haver mais polícias na autoestrada.” e não *“Devem haver mais polícias na autoestrada.”).
Se o verbo “faltar” for seguido de um verbo no infinitivo, também deverá ser conjugado na terceira pessoa do singular (ex.: “Falta registar algumas infrações.” e não *“Faltam registar algumas infrações.”).
Outro verbo que causa hesitações no uso é o verbo “tratar” conjugado pronominalmente (“tratar-se”), quando acompanhado da preposição “de”, simples ou contraída. Nesta forma, também só se conjuga na terceira pessoa do singular (ex.: “O que é isso? Trata-se das infrações de ontem.” e não *“O que é isso? Tratam-se das infrações de ontem.).
“Faz tempo que” é uma expressão que todos conhecemos. Todavia, se quisermos precisar quanto tempo decorreu, temos de ter em conta que o verbo “fazer”, nesta aceção, é um verbo impessoal e só pode ser conjugado na terceira pessoa do singular. (ex.: “Faz três anos que aquela autoestrada foi inaugurada.” e não *“Fazem três anos que aquela autoestrada foi inaugurada.”).
Por seu turno, quando utilizamos o particípio do verbo “passar” (“passado”) com o sentido de tempo decorrido, este deve concordar com a expressão nominal posposta (ex.: Passados dois anos, ainda falta um troço da autoestrada.” e não *“Passado dois anos, ainda falta um troço da autoestrada.”).
O pronome relativo “quem”, quando antecedido por um pronome pessoal, exige que o verbo seja conjugado na terceira pessoa do singular (ex.: “Fui eu quem conduziu o carro.” e não *“Fui eu quem conduzi o carro.”; “Foste tu quem conduziu o carro.” e não *“Foste tu quem conduziste o carro.”).
Se utilizarmos o pronome “que”, a concordância faz-se com o pronome pessoal que o antecede (ex.: “Fui eu que conduzi o carro.”; “Foste tu que conduziste o carro.”; “Fomos nós que conduzimos o carro.”).
Boa semana.

Deixa o teu comentário

Últimas Escreve quem sabe

19 Outubro 2021

A cor é Rosa!

17 Outubro 2021

Os acossados

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho