Correio do Minho

Braga, terça-feira

- +

Por uma federação europeia 

Habitação acessível (2)

Por uma federação europeia 

Ideias

2019-05-27 às 06h00

Pedro Morgado Pedro Morgado

A União Europeia é, seguramente, a melhor construção política de todo o século XX. Depois de séculos marcados por guerras sangrentas, a Europa ocidental entrou no maior período consecutivo de paz entre as suas diversas nações e, ao mesmo tempo, garantiu uma melhoria sustentada e sistemática das condições de vida das suas populações. 
Apesar do sucesso, a verdade é que entre os diferentes estados membros (e no interior de cada um deles) há razões muito distintas para apoiar - de forma declarada ou velada - esta união política e económica. Desde o idealismo humanista e ecológico até ao mero pragmatismo económico, uns e outros mantêm-se na Europa porque a Europa unida continua a ser melhor e mais forte do que a soma das suas mil e uma partes. 
Em Portugal, até entre os partidos que mantêm um discurso anti-Europa, a oposição é tão frustre que todos sabemos que não passa de mera retórica.

O século XXI trouxe novos desafios e também inesperadas dificuldades ao projeto Europeu. A perda de influência e de capital do eixo transatlântico para oriente, a crise humanitária do Norte de África e a condenação das classes médias a vidas pouco mais que remediadas de “metro, trabalho e sepultura” geraram um descontentamento endémico que acabou por favorecer o aparecimento de movimentos populistas que fizeram ressurgir o pior dos nacionalismos europeus. 
Os moderados também tiveram as suas responsabilidades. Um pouco por todo o lado, os governos nacionais colhem os louros do que a Europa faz bem e transferem para a União Europeia as culpas do que é difícil, polémico ou corre mal. 

Durante os anos da crise, confortados com problemas internos e com classes médias genericamente descontentes, os governos nacionais reforçaram a estratégia de “passa-culpas” para Bruxelas, o que danificou quase irreversivelmente a imagem das instituições europeias junto de franjas muito significativas da população. 
O afastamento entre a generalidade dos cidadãos e as instituições europeias é mais do que evidente. As elevadas taxas de abstenção nas eleições de ontem comprovam esse divórcio. 
Em vez de centrar a campanha na discussão dos temas europeus e no aumento da literacia sobre o funcionamento da Europa, a generalidade dos partidos preferiu centrar o debate nas questões nacionais. Estas eleições foram assim mais uma oportunidade perdida também em Portugal. 

Se quiser sobreviver enquanto projeto político verdadeiramente transformador, a União Europeia terá que se reformar: aproximar as instituições europeias dos cidadãos é um desígnio fundamental para a próxima década. 
O federalismo europeu, mesmo comportando alguns riscos, é o caminho mais seguro. Avançar para o federalismo, implica líderes políticos determinados e combativos, disponíveis para sacrificarem projetos de poder individuais em nome de uma União Europa assente na defesa do humanismo, da ecologia e da democracia liberal. Afinal, são esses princípios e valores que nos unem efetivamente enquanto cidadãos europeus. Foi sobre eles que construímos a Europa e é por eles que temos que continuar lutar todos os dias para garantir que não voltamos a acordar a meio de uma longa noite europeia. 

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho