Correio do Minho

Braga, sábado

- +

Preciso tomar o remédio das bichas?

Bem-estar dos portugueses no contexto europeu

Preciso tomar o remédio das bichas?

Voz à Saúde

2024-02-27 às 06h00

Joana Afonso Joana Afonso

Quando um volume anormal de parasitas está presente no intestino estamos perante um quadro de Parasitose. A sua prevalência é variável de acordo com a zona geográfica, tendo em conta as condições climatéricas e de higiene. No nosso país, com a melhoria das condições sanitárias, são cada vez mais raros os casos de Parasitose. Nesse sentido, não está indicada a toma de medicação de forma preventiva. Ou seja, por sistema, não necessita de tomar o vulgarmente conhecido “remédio das bichas”.
Os parasitas mais comuns são do grupo dos helmintas nemátodes, principalmente o Ascaris, vulgarmente conhecido como “lombrigas”, mas existem mais de 100 tipos diferentes.
A principal forma de contaminação é a via fecal-oral, através do consumo de água ou alimentos que estejam contaminados. Em casos mais raros, podem também entrar no nosso corpo através do nariz, da pele ou da picada de insetos.
Os principais fatores de risco para contrair uma Parasitose dizem respeito a:
• Viver ou viajar para zonas geográficas onde os parasitas estejam mais disseminados;
• Má higiene das mãos, dos objetos ou inexistência de água tratada;
• Extremos de idade, sendo que, as crianças e os idosos são mais suscetíveis;
• Fragilidade do sistema imunitário, por exemplo, quando está também presente uma doença crónica.
Saiba que, a maioria dos quadros de Parasitose é bem tolerada e evolui sem queixas ou apenas com sintomas leves e inespecíficos como dores abdominais, vómitos e diarreia. Perda de peso também pode estar presente.
Por vezes, é possível observar diretamente os parasitas misturados com as fezes, o que facilita a chegada ao diagnóstico. No entanto, pode ser necessária a avaliação laboratorial das fezes para detetar a presença dos próprios parasitas e dos seus ovos ou quistos. A colheita para análise é realizada em três dias consecutivos, para que o diagnóstico seja mais fiável. Em alguns casos pode ser necessária a realização de exames de imagem como radiografia abdominal, ecografia, endoscopia, tomografia axial computorizada (TAC) ou ressonância magnética, se estiverem presentes complicações intestinais ou extraintestinais.
Caso suspeite de infeção por parasitas deve recorrer ao seu Médico Assistente para que seja avaliado e instituído o tratamento mais adequado. Não se automedique!
Lembre que, tomar medicamentos desparasitantes de forma sistemática não impede na totalidade a possibilidade de novas infeções. Pelo que, tal como referido, se houver um adequado controlo das condições sanitárias, nomeadamente, no controlo das águas e saneamento básico, do solo (com técnicas de rega e fertilização adequadas) e das doenças nos animais, não há necessidade de tomar medicação de forma preventiva. Ao tomar um medicamento sem ter necessidade, estará a expor-se ao risco dos efeitos adversos da medicação, sem qualquer benefício para a sua saúde.
Lembre-se, cuide de Si! Cuide da Sua Saúde!

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login Seta perfil

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a Seta menu

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho