Correio do Minho

Braga, quarta-feira

- +

Preocupação Ambiental: os resíduos dos eventos

A Europa e o futuro

Preocupação Ambiental: os resíduos dos eventos

Ideias

2019-05-01 às 06h00

Pedro Machado Pedro Machado

O mês de maio será um mês de imensos eventos na nossa área de abrangência, que irão concentrar um grande número de pessoas: Enterro da Gata, Rampa da Falperra, Open de Ténis, Braga Romana, entre outros.
Como se sabe estas multidões, significarão uma grande quantidade de resíduos produzidos.
Felizmente, temos vindo a assistir a uma cada vez maior preocupação ambiental por parte dos promotores desses eventos de ter equipamentos que permitam a recolha dos resíduos e também da sua separação seletiva.
Esta preocupação deveria ser transversal, quer dos promotores dos eventos, quer das pessoas que os frequentam: minimizar o impacto destes resíduos, promovendo e praticando a separação dos resíduos para reciclagem e fazer com seja reduzida a sua produção.
Os promotores dos eventos devem sempre, aquando do planeamento, adotar boas-práticas ambientais, nomeadamente que contribuam para uma redução de impacto ambiental do evento, nomeadamente a gestão dos resíduos do próprio evento, que deve ser planeada com antecedência.
A Braval, tendo em conta a sua missão de melhorar a qualidade de vida ambiental dos seus municípios, tenta sempre corresponder com a colocação de equipamentos de recolha seletiva, sempre que solicitado pelos organizadores, no entanto, abrangendo 6 municípios é de prever que estejam sempre a ocorrer eventos em simultâneo nos mesmos.
Claro que estas medidas só terão sucesso se os frequentadores do evento tiverem vontade de colaborar, com a preocupação de fazer a menor quantidade de resíduos (reduzir), não deixando lixo no chão e depositando-o nos contentores adequados (reciclar).
Os cidadãos estão, e bem, cada vez mais, exigentes, reivindicativos e críticos, no entanto, acabamos sempre por assistir a situações de grande falta de cidadania, do cuidado do espaço comum e do saber-estar em sociedade.
Todos gostam de encontrar os locais dos eventos limpos, infelizmente, nem todos se preocupam em deixar o local como o encontraram.
Este comportamento é revelador de uma grande falta de cidadania pois há sempre contentores nas imediações dos eventos. Pergunto-me: quem carrega uma garrafa de água cheia não é capaz de carregar a mesma garrafa vazia? Não pode deslocar-se 50 ou 100 metros até encontrar um ecoponto?
Por outro lado, se existem contentores para recolha seletiva (ecopontos), não deverão ser colocados resíduos orgânicos e não se respeitar o material de cada contentor pois isso irá contaminar os resíduos separados para reciclagem.
De nada adianta colocar ecopontos se os resíduos que se recolhem são indiferenciados ou estão contaminados.
Os municípios têm desenvolvido enormes esforços estratégicos nesta área, em sensibilização e educação ambiental, investindo em infraestruturas de recolha e limpeza, minimizando também os efeitos desta falta de civismo. Mas não chega, cada cidadão tem de fazer a sua parte.
Ajude-nos, ajudando-se.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.