Correio do Minho

Braga, segunda-feira

Sonho de criança

Como sonhar um negócio

Conta o Leitor

2014-08-18 às 06h00

Escritor

JOÃO MACEDO

“Desde pequeno que ele queria ser jogador de fútebol. Certo jogo, a sua equipa perdia por duas bolas e ele olhou o céu, e foi como que todos os seus sonhos fossem possíveis... Restavam apenas 5 minutos para o fim do jogo, porém, 'Boy' quando já tudo dava o jogo por resolvido, de uma só rajada fez dois golos e restabeleceu a igualdade. Foi então que a cobiça por parte de outras equipas começou a aparecer.

O clube da terra começava a ficar pequeno para aquele rapaz, que apenas ambicionava um dia ser jogador do clube da terra, nada mais, contudo, nesse Verão acabou por se transferir para um clube melhor. As boas exibições mantiveram-se e 'boy' começou a ver que podia chegar ainda mais longe. Os anos foram-se passando e aquele rapaz que apenas tinha o sonho de ser jogador do clube da Terra havia-se tornado num dos melhores jogadores de sempre... Até que no ano de 2014 se tornou o Melhor jogador do Mundo.
E foi então que acordei, tudo não havia passado de um simples sonho.

Esse menino era eu, contudo, no sonho, só o facto de ter como sonho o clube da terra e o facto de ter mudado para um clube melhor é que eram reais. Na verdade, desde pequeno que sonhava ser jogador de futebol, porém, sempre tive noção das minhas limitações, mas ia jogando no clube da terra, e ajudando fazendo o meu melhor. Contudo, a vida tem os seus percalços, e muita coisa muda com o tempo, e com o passar dos anos… foi então que foram-se mudando mentalidades, dando prioridades a outros assuntos até que o futebol ficou de parte. Foi então que fui para árbitro.

Bem, eu, árbitro!? Eu que em miúdo dizia, vou ser tudo menos árbitro!!!

É verdade, era algo que eu nunca quis, porém, a confiança como jogador foi-se e optei por um caminho diferente. Ainda hoje tenho muitas dúvidas se fiz o correto, quando me deito, quando acordo, muitas vezes penso, não terei eu sido cobarde ao ter desistido do meu sonho?! Pois…, é uma questão que talvez nunca venha a saber a resposta...Ainda hoje sinto tristeza por não jogar, pois apesar de ter abandonado o futebol por opção, só eu sei o que me custou, as noites que eu pensei, que passei em claro...a decisão mais difícil de toda a minha vida... Todavia hoje volto a escrever, devido ao facto de ter entrado num torneio e a vontade de jogar ter despertado a saudade que havia pelo jogo... Bem ,neste momento reflito se deverei ou não voltar a jogar... Deverei eu lutar por um sonho? É a questão que coloco a mim mesmo...E que espero um dia optar pela decisão correta, jogar ou não, para que um dia não me arrependa, contudo, a todos aqueles que têm sonhos, digo, se os têm não desistam deles, porque são os sonhos que comandam a vida e sem eles ela deixa de fazer sentido...”

Deixa o teu comentário

Últimas Conta o Leitor

31 Agosto 2018

Ingratidão

30 Agosto 2018

Humanum Amare Est

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.