Correio do Minho

Braga, quinta-feira

- +

Teletrabalho

A Martins Sarmento e as Festas Nicolinas em Tempo de Pandemia

Teletrabalho

Escreve quem sabe

2020-04-05 às 06h00

Cristina Fontes Cristina Fontes

Muitos de nós estamos em teletrabalho e o correio eletrónico é uma ferramenta indispensável. Assim, mais do que nunca, devemos ter cuidado com a forma como escrevemos.
Há algumas dicas básicas para quem escreve no computador. Em primeiro lugar, use o corretor ortográfico. Veja se o tem atualizado. Se usar o Word®, procure na barra superior o ícone “FICHEIRO”. Em seguida, selecione “OPÇÕES” e depois “VERIFICAÇÃO”. Aí, poderá escolher o que mais lhe convém. Pode optar pela grafia pré ou pós-acordo e pelo estilo de escrita (informal, corrente ou formal). Todavia, o corretor ortográfico não resolve tudo e recomendo o uso do dicionário e/ou do prontuário (em papel ou digital) como auxiliar constante no processo de escrita.

Escreva, sempre que possível, textos pequenos e concisos. Leia-os em voz alta, pois o ouvido pode captar falhas que os olhos deixam passar. Dedique parte dos seus dias de isolamento social (quinze minutos, pelo menos) a estudar gramática. Mais cedo do que espera, escreverá com mais segurança e com menos erros. Se fizer uma revisão às regras de acentuação durante uma semana, pode passar à pontuação na semana seguinte.
Se não tiver uma gramática em papel, pode usar estas: Flip em https://www.flip.pt/FLiP-On-line/Gramatica ou Ensino Básico em https://www.ensinobasico.com/gramatica. Este estudo será uma mais-valia agora e no futuro.
Use, sempre que puder, o endereço institucional para comunicações de trabalho. Caso não tenha, e se o seu endereço for demasiado informal ou ambíguo (ex.” dartvadar1985@...; bonequinhagostosa@...), pense em criar um novo mais formal. A nossa imagem profissional é construída por pequenos detalhes.

Quantas vezes nos esquecemos dos anexos? Mais do que as que devíamos. Para evitar este contratempo, o melhor será anexar os seus ficheiros antes de escrever a mensagem. Já agora, muitos linguistas discordam da expressão segue “em anexo”, preferindo segue “anexo”. Porém, não se esqueça de fazer a concordância do adjetivo com o nome (ex.: “segue anexo o documento”; “seguem anexos os documentos”; “segue anexa a fotografia”; “seguem anexas as fotografias”).

Eis outros aspetos a ter em atenção quando escrevemos uma mensagem para enviar por correio eletrónico:
1. Nunca se esqueça da vírgula a seguir ao vocativo da saudação (ex.: “Caro cliente, venho desta forma responder às dúvidas apresentadas na comunicação anterior”).
2. Seja sucinto e objetivo no assunto.
3. Não se esqueça da fórmula de despedida. Mais formal ou informal, conforme o recetor da mensagem.
4. Tenha atenção para quem envia e como envia. Se usar CC, todos os destinatários irão receber uma cópia idêntica da mensagem que envia, e os seus endereços serão visíveis para todas as pessoas que a recebem. Este tipo de envio é ideal para trabalhos de projeto ou em discussões com vários intervenientes. Se usar BCC, os destinatários que recebem a mensagem conseguem ver todo o conteúdo, o assunto, mas nenhum consegue ver os endereços dos outros destinatários. Este tipo de comunicação é ideal para quando não se pretenda que exista comunicação entre destinatários, mas apenas entre o remetente e cada destinatário individualmente.
5. Evite erros como: (i) “há duas semanas atrás” (o atrás é supérfluo); (ii) “Apresentam-se as faturas descriminadas” (descriminar é retirar a culpa. O correto é discriminadas - detalhadas); (iii) “Esperamos ir de encontro às suas expetativas” (ir de encontro a é discordar, já “ir ao encontro de” mostra a afinidade entre posições); (iv) “Com os melhores comprimentos” (comprimento, com “o”, é a medida; cumprimento, com “u”, é a saudação, o aperto de mãos); (v) “Não exite em contactar-nos” (hesite é a forma verbal correta); (vi) “Aceita-se encomendas” (Devemos fazer concordar o verbo com o sujeito. “Se” é uma partícula apassivante e a isso exige – Aceitam-se encomendas); (vi) “Fazem duas semanas que estou em teletrabalho” (No sentido de tempo decorrido, o verbo “fazer” é impessoal, ou seja, só é usado no singular – Faz duas semanas que estou em teletrabalho); (vii) “derivado das medidas impostas pelo estado de emergência” (Devido às medidas impostas pelo estado de emergência); “Concerteza que pode contar com a nossa equipa” (Concerteza não existe. Escreva a locução adverbial com certeza);
Boa semana. Fiquem bem. Fiquem em casa.

Deixa o teu comentário

Últimas Escreve quem sabe

24 Novembro 2020

Habitação acessível (2)

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho