Correio do Minho

Braga,

- +

Um regresso prudente ao quotidiano

A resolução de conflitos de consumo através da Internet (RLL)

Um regresso prudente ao quotidiano

Ideias

2021-04-12 às 06h00

Felisbela Lopes Felisbela Lopes

Amanhã uma nova reunião no Infarmed avaliará as condições do país para uma terceira fase do desconfinamento. Os dados atuais implicam ponderação. Porque o RT está a subir em todo o país, certas regiões registam um aumento do número de infetados e o comportamento dos portugueses na última semana não garante confiança para avançar sem temer o pior.
A imprensa, apoiada no Boletim da Direção Geral da Saúde, avançava ontem que o Norte apresenta maior número de infetados do que a região da Grande Lisboa, uma tendência nova face àquilo que vem sendo registado nos últimos meses. No sábado, o Jornal Nascer do Sol noticiava que o RT está acima de 1 em todas as regiões, com exceção do Alentejo onde diminuiu. Em algumas zonas do país, os números começam a suscitar preocupação. O Correio da Manhã avançava mesmo que “758 mil estão em risco de voltar a confinar”, já que existem 29 concelhos com uma incidência de casos superior a 120 por 100 mil habitantes. E isso pode levar a medidas mais restritivas, cumprindo aquilo que o primeiro-ministro havia já acautelado.

Não estamos, pois, ainda num tempo de otimismo. O Jornal de Notícias e o Diário de Notícias, numa sondagem conjunta, anunciavam ontem que “mais de metade dos portugueses não tenciona fazer férias”. Essa decisão é consequência de uma situação financeira que piorou no último ano para muitas famílias e do medo que cada um de nós sente perante um eventual contágio.
Através de uma capa onde se vê um conjunto de pessoas perdidas num árido deserto e sob o título “passaporte para lado nenhum”, a revista britânica “The Spectator” explicava esta semana que vale pouco ser o país onde a vacinação está a ser um sucesso, quando a pandemia apresenta números preocupantes noutras regiões. O Reino Unido já anunciou que atingirá hoje a imunidade de grupo. É uma inequívoca vitória para o país, particularmente para o primeiro-ministro Boris Johnson que se bateu por isso desde o início desta doença. Acontece que não há fronteiras protetoras para este vírus. Há um enorme risco nas viagens para o estrangeiro e há um colossal perigo inerente à entrada de gente oriunda de outros países. A mobilidade que caracteriza os nossos estilos de vida torna inevitável a circulação de variantes que as vacinas poderão não travar.

Não é, pois, com estabilidade que se constrói o nosso presente. Todavia, vislumbram-se sinais que nos dão alguma esperança. A vacinação está a avançar com a promessa de que, a partir de agora, entrará numa velocidade maior... E há um processo de desconfinamento em curso que já nos tirou de casa e que está a restituir uma parte da nossa vida de todos os dias. Há, pois, que ter calma e, acima de tudo, respeitar as regras. A progressão deste vírus dependente muito do nosso comportamento. Somos responsáveis por aquilo que acontece. Antes de atirar culpa para as autoridades oficiais, seria mais pertinente analisar os nossos comportamentos e perceber o que podemos fazer para travar esta pandemia.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho