Correio do Minho

Braga, terça-feira

Vítor Sousa mete água

Ser de Confiança

Ideias Políticas

2012-01-31 às 06h00

Francisco Mota

Portugal mobilizou-se para uma mudança de fundo, que muito mais que reformista quer-se necessária. É imperativo que se faça de norte a sul, e que nada nem ninguém se dêem ao luxo de ficar de fora desta mobilização com o objectivo de transformar e colocar a nossa nação no rumo certo.

As palavras de ordem têm sido a racionalização, investimento controlado e a responsabilização, ou seja, com menos fazer mais e melhor. Assim, conseguiremos produzir mais e melhor, para capacitarmos Portugal para competir no contexto da globalização dos mercados.

O poder local tem assim uma responsabilidade acrescida de saber gerir melhor os recursos públicos e por conseguinte terminar com um ciclo que levou a este abismo. Empresas públicas em demasia, aparelhos demasiado pesados e pouco produtivos e uma desresponsabilização das vereações camarárias fase à sua missão.

A Câmara Municipal de Braga, infelizmente, dá-se ao luxo de não tomar parte nesta convocatória de mudança. De uma forma irresponsável insiste em manter empresas públicas pouco ou nada rentáveis como o caso do PEB; avança com investimentos que em nada são prioritários como a aquisição da fabrica Confiança; e ainda mais grave que isso faz investimentos elevados para os cofres da autarquia e que os deixa apodrecer, como acontece com a piscina olímpica.

Esta última, foi a mais recente tacada aos bracarenses por parte do vice-presidente da Câmara Municipal de Braga, Vitor Sousa que em declarações públicas, afirmou que o investimento não faz sentido e que nem sequer concordou com este, que já custou aos bracarenses 8 milhões de euros.

De uma forma muito clara, o disponível candidato a assumir os destinos do município a partir de 2013, meteu água. Primeiro, porque o que foi uma bandeira eleitoralista do PS, o que seria uma infra-estrutura estratégica para a prática desportiva em Braga, tornou-se num projecto falhado e que, segundo Vitor Sousa, pode dar lugar a um parque aquático.

Em segundo lugar, e até compreendendo o dirigente rosa, tenta-se afastar da gestão catastrófica de Mesquita Machado, com um intuito eleitoralista, dizendo que nunca foi grande entusiasta da piscina olímpica.

Desta forma este dirigente socialista só demonstra a falta de estratégia e de missão do PS de Braga. Penso que é claro, que depois de uma discordância de fundo para com este projecto Vítor Sousa deve-se demitir do cargo que ocupa, por uma questão de transparência e de verdade para com os bracarenses. Não nos podemos esquecer que estamos a falar num investimento que concluído ronda os 20 milhões de euros.

Construir o futuro de uma nova Braga, passa por despertar consciências e por apresentar alternativas fiáveis.
Não basta muito mais Braga, é preciso melhor Braga.

Deixa o teu comentário

Últimas Ideias Políticas

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.