Correio do Minho

Braga, sexta-feira

- +
“A situação é muito complicada, temos todos que reforçar as medidas de protecção”
Autarca de Viana do Castelo participou no Seminário sobre Infraestruturas no âmbito do PRR

“A situação é muito complicada, temos todos que reforçar as medidas de protecção”

Famalicão atribui apoio extraordinário de 318 mil euros às IPSS do concelho

“A situação é muito complicada, temos todos que reforçar as medidas de protecção”

Braga

2021-01-20 às 06h00

Marta Amaral Caldeira Marta Amaral Caldeira

O apelo é do presidente do Conselho de Administração do Hospital de Braga. João Oliveira diz que esta terceira vaga da pandemia de Covid-19 “é muito complicada” e aderte a população em geral para que “reforce as medidas de protecção”.

“Temos todos que reforçar as medidas de protecção. Temos que ser comedidos e cumprir as regras quer da Direcção-Geral de Saúde, quer do governo, ao nível do confinamento e evitar o aumento do número de infectados porque os serviços e recursos de saúde também são limitados”. Num novo apelo à população minhota, João Oliveira, presidente do Conselho de Administração do Hospital de Braga, assinala que o número de casos diários de Covid-19 nesta terceira vaga da pandemia é superior às outras duas e pede “contenção”.
“A população tem que perceber que os profissionais de saúde estão há um ano a tratar doentes com Covid-19. Estão há uma ano a viver diariamente uma pressão constante. Cabe-nos a nós, população em geral, fazer aquilo que nos compete, que é cumprimos com as recomendações das autoridades e evitar o aumento do número de infectados”.
Com a terceira vaga ainda no início, que conta já 140 doentes internados com Covid-19, o presidente da administração do Hospital de Braga diz que “a situação é muito complicada”. “Na primeira vaga, tivemos um número significativo de doentes, com cerca de 150 doentes internados, e a segunda vaga esteve também muito próxima desse número, mas não se registava um número de infectados diários como temos hoje, com esta terceira vaga. Neste momento, já estamos praticamente a atingir esse número”, advertiu.
“É uma preocupação elevada, pois temos uma afluência maior do que tivemos na segunda vaga da pandemia”, alertou João Oliveira, voltando a apontar para “o reforço da protecção individual” e para “o cumprimento das regras de confinamento” como a melhor forma para enfrentar o combate à Covid-19.
Olhando para uma comunidade hospitalar de 3200 funcionários, o administrador da unidade bracarense assinala a “urgência” da vacinação de todos os profissionais, indicando que a expectativa é grande e que todos anseiam pela vacina.
“A perspectiva é que todos os profissionais de saúde sejam vacinados o mais rapidamente possível, mas pela quantidade de vacinas disponibilizadas, conseguimos já vacinar os primeiros 1500 profissionais que trabalham mais directamente com os doentes Covid e esperamos que nos próximos dias ou nas próximas semanas, seja possível recebermos as restantes vacinas para que todos os profissionais que contactam doentes, desde médicos, enfermeiros, assistentes operacionais e técnicos, sejam vacinados de imediato”.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho