Correio do Minho

Braga, sexta-feira

- +
A vontade é vencer a final mas primeiro é preciso lá chegar
Serviço cultural inicia nova temporada

A vontade é vencer a final mas primeiro é preciso lá chegar

Câmara vai abrir concursos para espaços da nova Praça – Mercado de Famalicão

A vontade é vencer a final mas primeiro é preciso lá chegar

Desporto

2020-01-21 às 06h00

Ricardo Anselmo Ricardo Anselmo

Micael Sequeira não vê o SC Braga como o principal favorito a vencer a Taça da Liga, mas admite que seria uma desilusão não o conseguir. Foco total em vencer hoje o Sporting e depois... logo se vê.

Por imposição da Liga, Rúben Amorim não pôde realizar a conferência de Imprensa de antevisão ao encontro desta noite com o Sporting (19.45 horas), referente à primeira meia-final da final-four da Taça da Liga. O técnico-adjunto aproveitou para esclarecer que a sintonia com o treinador é total e que, por isso, o discurso apresentado não foge da linha de pensamento que é comum a toda a equipa técnica.
“Sei perfeitamente qual é a minha responsabilidade, pensamos e falamos muitas vezes (eu e o Rúben) e sei perfeitamente o que ele quer que eu transmita. Obviamente é um desafio diferente mas estou preparado para isso”, referiu Micael Sequeira, para quem seria uma “desilusão” deixar escapar novamente a oportunidade de vencer a Taça da Liga.

“Em primeiro lugar vamos pensar em conseguir chegar à final e depois desse objectivo vamos pensar no próximo. Se não o conseguirmos seria obviamente uma desilusão, não o escondemos”, assumiu, rejeitando ainda a ideia de os jogadores estarem eufóricos pela vitória no Dragão.
“Foi uma vitória importante, que nos permitiu somar mais três pontos no campeonato mas nada mais do que isso. Reagimos de uma forma ponderada, porque foi apenas mais uma vitória no campeonato. O balneário está perfeitamente normal”, garantiu.

Essa vitória frente ao FC Porto foi a terceira consecutiva da nova equipa técnica e o momento actual é muito positivo. Ainda assim, isso não é suficiente para o SC Braga ser considerado favorito à conquista do troféu.
“Não pensamos dessa forma. Temos noção de que é um jogo importante perante um adversário muito difícil e estamos muito motivados e confiantes de que a nossa identidade de jogo nos permita chegar à final. Esse é o principal foco. Tratando-se da última final-four aqui em Braga sabemos o que implica conseguir ganhar ao Sporting. Implica ter a possibilidade de poder disputar um título aqui na nossa cidade, o que seria fantástico”, frisou.
Palhinha não poderá jogar por estar cedido pelos leões, mas Sequeira preferiu não abrir muito o jogo, realçando que o importante é que a “dinâmica colectiva se mantenha”.
“Em rigor, vamos ter opções diferentes mas mesmo com outro jogador o nosso foco é manter as dinâmicas e penso que o vamos conseguir”, concluiu.

Três jogos são de risco elevado diz Comando Distrital da PSP

O subintendente do Comando Distrital de Braga da PSP, Pedro Colaço, disse hoje que os três jogos da ‘final four' da Taça da Liga de futebol são de risco elevado e frisou que as revistas serão “minuciosas”.
Questionado sobre se haverá uma preocupação especial para evitar a entrada de material pirotécnico, o responsável policial notou que é “a segurança privada a responsável pela revista minuciosa aos adeptos, especialmente onde entram os grupos organizados de adeptos”, vulgo claques.

“Preocupa toda a gente, e a PSP também, como é óbvio. A PSP estará presente e fará a supervisão conforme está definido pela lei e, se necessário, cá estaremos para fazer o que nos compete”, disse.
A directora de competições da Liga, Helena Pires, frisou também que “a revista será minuciosa, daí a necessidade dos adeptos virem com tempo”.
Pedro Colaço referiu que “o dispositivo policial será o que é habitualmente utilizado em jogos com estas características, de risco elevado” e o número de efectivos será “semelhante” ao dos anos anteriores.
O responsável policial não fez distinção entre as claques das quatro equipas.“Por termos um conhecimento profundo dos grupos organizados de adeptos das quatro equipas, entendemos que todos os jogos têm a mesma designação de risco elevado, todos são tratados da mesma forma, sem excepção”, sustentou.

O subintendente considerou ainda que a manifestação de membros da PSP e GNR prevista para as meias-finais não vai prejudicar o esquema de segurança.
“Vamos tratar essa manifestação como se fosse de outra categoria profissional, médicos, professores, enfermeiros, etc. Terá o mesmo tipo de tratamento e cremos que não colocará em causa qualquer tipo de policiamento”, disse.

Os adeptos do Sporting de Braga ficarão na bancada poente e os do Sporting na bancada nascente e, na segunda meia-final, os adeptos do FC Porto terão lugar na bancada poente e os adeptos do Vitória de Guimarães na bancada nascente.
Na final, os adeptos do vencedor da primeira meia-final ficarão na bancada poente e o da segunda na bancada nascente.
A abertura de portas do Estádio Municipal de Braga está marcada para as 17:45, duas horas antes do jogo, mas os adeptos podem aceder às zonas especial- mente criadas para eles a partir das 16:30 (16:00 na final, no sábado).

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho