Correio do Minho

Braga, quarta-feira

- +
Agrupamento n.º 219 - Gualtar: Movimento escutista soube adaptar-se
“Tenho os pés bem assentes no chão e os olhos postos nas estrelas”

Agrupamento n.º 219 - Gualtar: Movimento escutista soube adaptar-se

Investigadores da UMinho premiados pela Sociedade Americana de Ergonomia

Agrupamento n.º 219 - Gualtar: Movimento escutista soube adaptar-se

Braga

2020-09-06 às 06h00

Patrícia Sousa Patrícia Sousa

A celebrar 56 anos, o Agrupamento n.º 219 - Gualtar conseguiu manter a prática do escutismo, apesar de todas as restrições e constrangimentos. Chefe Adjunto de Agrupamento, António Guimarães, defende que “o escutismo faz cada vez mais falta”.

A Covid-19 veio restringir a prática do escutismo ao ar livre, mas, “mais uma vez, o escutismo sobrevive e consegue adaptar-se a esta nova realidade”, defendeu o chefe Adjunto de Agru- pamento do n.º 219 - Gualtar, António Guimarães, acreditando que “o escutismo faz ainda mais falta nesta altura”.
A pandemia “veio travar um pouco a relação humana e o conhecimento mútuo, sendo que no caso do escutismo este conhecimento é muito prático na vida ao ar livre”, sublinhou o dirigente, evidenciando que “um escuteiro gosta da vida na natureza e o escutismo deve ser verdadeiramente uma resposta às necessidades destes jovens”.

O certo é que a Covid-19 veio restringir esta área, mas os agrupamentos continuam a praticar escutismo. “Só conseguimos perceber se um escuteiro domina determinada área se tivermos num espaço que permita avaliar esse elemento. Essa avaliação passa muito pela vida de campo, que agora não se pode fazer”, lamentou o chefe.
Durante o confinamento, o agrupamento participou em todas as actividades calendarizadas, reduzindo a participação de alguns elementos, nomeadamente Lobitos, Exploradores e Pioneiros. Numa outra situação mais pontual foram recrutados alguns Pioneiros.

“As actividades foram muito reduzidas e constrangidas, contudo as actividades de âmbito religioso foram-se concretizando. “No Mês de Maria fizemos transmissões em directo via Facebook e as Reuniões de Piedade, uma vez por mês, foram efectuadas por Caminheiros e dirigentes”, contou António Guimarães, adiantando ainda que, ao longo deste tempo, foram realizadas reuniões via zoom de todas as secções e o agrupamento participou no acantonamento nacional de celebração dos 97 anos do Corpo Nacional de Escutas (CNE).
O chefe Adjunto confirmou que o agrupamento conseguiu adaptar-se “muito bem, dentro das condicionantes” a todo este processo. “Tivemos partes práticas, com actividades de pioneirismo e até tarefas que enviamos para os elementos fazerem em casa. Recebemos sempre um feedback muito positivo”, contou António Guimarães, admitindo, no entanto, que a essência do escutismo foi afectada.

Ainda durante o confinamento, por iniciativa da Comissão Permanente de Pais do agrupamento, efectuou-se uma recolha bens alimentares e de higiene que foi entregue no CLIB para a preparação das refeições solidárias.
Apesar de Gualtar ter muitos habitantes que não são naturais da freguesia, o certo é que o agrupamento tem conseguido captar crianças e jovens, criando raízes. “A freguesia está a adaptar-se a uma nova realidade que tem a ver com a comunidade brasileira e também temos duas meninas angolanas”, aplaudiu.

Tudo pronto para retomar actividades

O Agrupamento n.º 219 - Gualtar vai desconfinar no próximo dia 26 de Setembro, estando a ultimar os documentos orientadores pedagógicas para enviar à Junta Central do Corpo Nacional de Escutas (CNE) e receber o respectivo aval. Fruto deste documento, o agrupamento vai privilegiar três aspectos: segurança, versatilidade e aplicação do método escutismo.
Após várias reuniões, a “grande preocupação” de todos é “garantir a segurança” em cada reunião ou actividade, quer seja na sede ou vida de campo. “Vamos fazer com que os escuteiros encarem de forma ‘natural’ as regras de segurança e não se sintam condicionados à prática escutista”, assegurou o chefe Adjunto de Agrupamento, António Guimarães.

Também é pedido aos dirigentes versatilidade. “Os dirigentes vão adaptar-se sempre que haja essa necessidade quer à sequência ou à duração de reuniões e alternar as reuniões presenciais para virtuais”, explicou o chefe de agrupamento. A aplicação do método escutismo “vai ser possível, fazendo-se uma ou outra adaptação”, assumiu.
Entretanto, o agrupamento vai ter reunião de pais para falar sobre o documento orientador pedagógico num espaço amplo e aberto.

“A nossa sede oferece espaço, mas mesmo assim estamos a agilizar tudo para que quando o tempo ajudar as reuniões presenciais sejam realizadas no espaço exterior circundante à sede. Se as condições atmosféricas forem adversas não faremos reunião e sempre que necessário reuniremos remotamente”, referiu.
Apesar do plano e actividades “muito condicionado”, o agrupamento compromete-se a aplicar o método escutismo, privilegiando as oito maravilhas do método: reuniões de patrulha, aprender fazendo, a vida na natureza, envolvimento na comunidade, relação educativa, mística e simbologia, progresso pessoal, lei e promessa.

Para meados de Outubro estão programadas as Passagens de Secção, Partidas (dos Caminheiros), Promessas e Investiduras. “Vamos ter também promessa de dirigente que é sempre momento de festa”, aplaudiu António Guimarães, lamentando não ter sido realizado o tradicional acampamento de agrupamento no primeiro fim-de-semana de Julho.
De destacar, a primeira actividade de agrupamento internacional realizada o ano passado a Paris com 52 elementos.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho