Correio do Minho

Braga,

- +
Ainda há 1300 alunos sem meios para assistir à escola on-line
‘Race for the Cure’ nas redes sociais para combater o cancro da mama

Ainda há 1300 alunos sem meios para assistir à escola on-line

Escolas reforçadas com 75 funcionários

Ainda há 1300 alunos sem meios para assistir à escola on-line

Ensino

2020-05-19 às 06h00

Marlene Cerqueira Marlene Cerqueira

Câmara vai realizar concurso público para adquirir equipamentos informáticos para 1300 alunos que ainda não têm meios para aceder à escola on-line. “Esta era uma competência do Governo”, lembra Rio.

Dos 2500 alunos do concelho de Braga que não tinham equipamento informático e/ou acesso à internet, 1200 já estão a frequentar as aulas on-line. No entanto, há ainda 1300 a aguardar por um computador ou um tablet para assistir às aulas. A situação só se deverá resolver com um concurso público para aquisição desse material, o que significa que só na fase terminal do ano lectivo é que estes alunos poderão ter condições para aceder à escola na internet.
No início do 3.º período lectivo, a autarquia e os agrupamentos de escola efectuaram um levantamento em que se percebeu que 2500 alunos do concelho precisavam de equipamentos ou acesso à internet para frequentar as aulas on-line.

A bolsa de equipamentos informáticos criada pelo município, em parceria com os agrupamentos, e a aquisição de 800 hotspots com cesso à internet, permitiu responder às necessidades para 1200 alunos .
Aos restantes 1300 alunos a Câmara só conseguirá dar resposta depois de efectuar um concurso público para a aquisição dos equipamentos informáticos.
Ao contrário de outros concelhos que conseguiram responder de forma ágil à situação pois precisaram apenas de algumas dezenas de computadores ou tablets, no caso de Braga o facto de fazerem falta 1300 obriga a um concurso público. “Temos consciência de que o tempo vai passando, mas foi decidido que a compra desses equipamentos deve ser feita com ponderação para poder ser rentabilizada no futuro”, explicou Ricardo Rio.
Do lado da oposição, Artur Feio, do PS, congratulou-se com a disponibilização de meios para garantir a escola on-line, lembrando que o PS apresentou precisamente uma proposta nesse âmbito que acabou chumbada pela maioria da Coligação ‘Juntos por Braga’.

Ricardo Rio, em resposta, recordou que a proposta dom PS só foi chumbada devido aos considerandos em que se baseada, lembrando que” o que a Câmara está agora a fazer é uma competência do Governo central”.
O edil explicou ainda que a decisão de avançar com a compra dos hotspots antes dos computadores e tablets foi tomada em articulação aos os agrupamentos de escola que “consideraram que era necessário garantir ligação à internet aos alunos que já tinham equipamentos”. Rio realçou ainda que o Governo ainda deu qualquer garantia de que vá pagar todo o investimento que as autarquias estão a fazer nesta, sendo que é um investimento que competia ao poder central.

Novo programa apoia criação artística

Foi aprovado por unanimidade, em reunião de Câmara, o ACTUM – Convocatória Aberta de Projectos Artísticos 2020, um novo programa de apoio à criação e fruição artísticas que vai apoiar 45 criadores e artistas bracarenses nas áreas da música, das artes performativas e das artes plásticas e visuais.
Com este projecto, o Município visa incentivar o desenvolvimento de projectos artísticos que reflictam sobre o momento actual, nomeadamente sobre “as consequências que a pandemia desencadeada pela Covid-19 apresentará na maneira como os cidadãos compreendem e experienciam os novos contextos sociais, económicos e culturais”.

Carlos Almeida, da CDU, elogiou a iniciativa, mas considerou-a “curta”, uma vez que envolve 25 mil euros para 45 participantes.
Em resposta, Ricardo Rio referiu que a Câmara não tem a responsabilidade de financiar os agentes cultuais sem contrapartidas e lembrou que a autarquia manteve os acordos que tinha com os agentes culturais, que devem ser colocados em prática lodo que seja possível reactivar a dinâmica cultural da cidade.
O ACTUM será estruturado em duas medidas. A primeira, na área da música e das artes performativas, está dirigida para a concepção e divulgação de trabalhos nos domínios da música, da dança, do teatro, do novo circo, entre outros, promovendo os diversos cruzamentos disciplinares. A segunda é direccionada para a as artes plásticas e visuais, pretende apoiar a produção de obras na área da pintura, escultura, desenho, instalação, vídeo ou fotografia.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho