Correio do Minho

Braga, quarta-feira

- +
Arranque sob o signo da incerteza para o Campeonato de Portugal
Concelho exaltado com exemplo de empreendedores famalicenses

Arranque sob o signo da incerteza para o Campeonato de Portugal

Programa de residências literárias traz a Braga Sònia Hernández

Arranque sob o signo da incerteza para o Campeonato de Portugal

Desporto

2020-08-11 às 06h00

Rui Serapicos Rui Serapicos

Calendário e público na bancada são incógnitas cuja concretização deve ser tão breve quanto possível, apelam os responsáveis do Pevidém SC. A equipa começou ontem a treinar para 2020/21.

Várias incógnitas do sistema que vai vigorar no Campeonato de Portugal estão por concretizar. O escalão nacional no qual vai jogar o Pevidém tem por definir o quadro de clubes que medem forças entre si, como ainda o próprio calendário. Este signo de incerteza pautou as declarações que Rui Machado, o presidente da colectividade vimaranense prestou aos jornalistas enquanto os jogadores davam os primeiros passos de corrida em torno do relvado, sob a orientação de João Pedro Coelho, o treinador que transita com 15 jogadores da época transacta, a que se juntam agora sete caras novas.
“Nós não sabemos o formato da competição, nem quem são os nossos adversários”, salientou o presidente do clube.

Rui Machado salientou, ainda assim, a “ambição desportiva” de posicionar o Pevidém num dos primeiros cinco lugares da série em que vai iniciar a época.
Questionado sobre, perante a conjuntura que se instalou após a pandemia Covid 19, o clube mantém a sua sustentabilidade, o dirigente lembrou que “tanto se tem falado numa recessão de dois dígitos como se fala numa orgia financeira”.
Admitiu que a subida ao nível nacional implica “algum reforço orçamental” mas considerou que, dependendo da duração temporal do quadro competitivo — “se só durar sete ou oito meses” — uma das incógnitas do sistema — os custos até podem vir a baixar.

Para estas equações importa ainda saber se haverá jogos com ou sem público, o que também ainda não é seguro. Sobre isto, Rui Machado lançou o apelo “às entidades competentes”.
“Sem público, mais vale não começar”, realçou, tendo em conta que a subida aos nacionais suscita a expectativa de “jogos com mais apetência e melhorias na bilheteira”.
“Nós não podemos ir à bola mas podemos ir à feira do gado ou a um comício”, lamentou.

João Pedro Coelho: “Dificuldades vão ser para todos”

“O novo formato vai ser igual para todos”, observou ontem o treinador do Pevidém, João Pedro Coelho.
“Vai haver muitas dificuldades mas vai ser assim para todos”, acrescentou o técnico que orientou em 2019/20 esta equipa no triunfo do nível mais alto da AF Braga e consequente subida em 2020/21 ao Campeonato de Portugal.
Assumindo esperar “dificuldades” adianta logo que se propõe “lutar por uma classificação condizente”.
Face ao quadro de incertezas que paira na definição do quadro competitivo, uma ideia que sublinhou é que “espero começar e não parar”.
Outra ideia é de que os jogadores estiveram “mais de seis meses” sem competir e, assim, “é natural que o período pré-competitivo possa ser mais longo”.
O plantel “foi construído pelo Fina e pelo Dr. Rui Machado, em consonância comigo”.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho