Correio do Minho

Braga, terça-feira

- +
Arte inclusiva para admirar nos espaços culturais
A ascensão de Tormena na época mais produtiva

Arte inclusiva para admirar nos espaços culturais

Câmara compensa transportes urbanos (TUG) com 450 mil euros

Arte inclusiva para admirar nos espaços culturais

Braga

2020-11-25 às 07h00

Marta Amaral Caldeira Marta Amaral Caldeira

Os trabalhos plásticos realizados pelos utentes da Cerci Braga estão expostos nos museus da cidade e na Biblioteca Lúcio Craveiro da Silva.

É com retalhos e máscaras que se coze a inclusão na Cerci Braga - Cooperativa de Educação e Reabilitação para Cidadãos mais Incluídos, desenvolvendo aptidões e talentos artísticos das pessoas com deficiência mental e indo ao encontro das escolas. Os trabalhos produzidos no âmbito do projecto ‘Patchwork: Identidades e Diversidades’ exibem-se, desde ontem, em vários espaços culturais da cidade, numa mostra colectiva que foi inaugurada no Museu dos Biscainhos envergando a mensagem da inclusão e da sustentabilidade.
Lídia Brás Dias, vereadora da Cultura da Câmara Municipal de Braga, elogiou os trabalhos artísticos produzidos pelos utentes da Cerci Braga. “Transcender as regras do dia-a-dia e fazer compreender a arte e a cultura como algo básico e primário na vida é uma tarefa essencial”, disse, evidenciando a necessidade de “mostrar que a arte tem lugar na vida, mesmo em tempo de pandemia”.
Apontando para Braga como uma “cidade educadora”, destacou a “rede de parceiros” que se uniu neste projecto inclusivo através das artes dinamizado na Cerci Braga pelo ‘Mosaico’, editora ‘Paleta de Letras’ de Pedro Seromenho, WAPA e os Agrupamentos de Escolas Trigal Santa Maria, André Soares, Alberto Sampaio, D. Maria II (Braga) e de Abação (Guimarães).
As exposições dos trabalhos artísticos efectuados são o resultado do projecto desenvolvido desde Março último, podendo ser apreciados no Museu dos Biscainhos, Museu D. Diogo de Sousa, Museu Nogueira da Silva e na Biblioteca Lúcio Craveiro da Silva. Tânia Crista, directora técnica do Centro de Actividades Ocupacionais da Cerci Braga, explicou que o projecto deambula entre o tema da ‘Cidade’ e o tema da ‘Natureza’ e a forma como cada um deles influencia o outro. “No final, todos identificaram a necessidade de conciliação entre a cidade e a Natureza, reflectindo sobre a importância das árvores e da floresta no bem-estar humano”.
Ana Caridade, do projecto ‘Mosaico’, que foi também um dos parceiros da iniciativa ‘Patchwork’, indicou que o tema da sustentabilidade foi trazido através da situação nefasta dos incêndios que estão a devastar a Floresta da Amazónia, no Brasil, e que corre mesmo o risco de vir a desaparecer. Além do apelo à sustentabilidade, este projecto desenvolvido na Cerci Braga através da dança, música, videodança e artes, visa dar visibilidade às competências artísticas das pessoas com deficiência.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho