Correio do Minho

Braga, quarta-feira

Associação ARCUM divulga património através da ‘Canção Bracarense’
Capitão sai mas aponta aos títulos

Associação ARCUM divulga património através da ‘Canção Bracarense’

Medalha de Honra do Município de Guimarães atribuída a Marcelo Rebelo de Sousa

Ensino

2019-03-18 às 06h00

Miguel Viana

Evento juntou dezenas de pessoas na Igreja do Carmo e deu a conhecer o cancioneiro tradicional do concelho de Braga. Vereadora da Cultura, Lídia Dias, salientou a junção do património imaterial com o património religioso.

A ARCUM - Associação Recreativa e Cultural Universitária do Minho levou ontem até à Igreja do Carmo, a quarta edição da ‘Canção Bracarense’.
Perante uma igreja quase cheia, a associação deu a conhecer algumas das canções que integram o cancioneiro bracarense, no intuito de divulgar a cultura e o património do concelho. “Fazemos uma viagem pelos diferentes cancioneiros da região e pelas tradições do calendário dos nossos antepassados. Desde o ‘Botar das Almas’ até à Romaria, passando pelos cantares do campo e outros cantares de inspiração religiosa”, afirmou André Marcos, presidente da ARCUM.
O mesmo responsável explicou que o concerto ‘Canção Bracarense’ tem decorrido em diferentes igrejas da cidade, não só “por causa da acústica”, mas também para dar a conhecer o património religioso.
“A ‘Canção Bracarense’ acaba, também, por atrair as atenções para diferentes igrejas. Já percorreu quatro igrejas, e acaba por juntar o melhor dos dois mundos (cancioneiro e património religioso)”, considerou o presidente da ARCUM.

A edição deste ano ficou marcada pela homenagem feita a um colaborador da ARCUM. “Este ano temos uma breve homenagem a alguém que já cantou connosco, no Grupo de Dume, o senhor José Manuel, que faleceu o ano passado”, frisou André Marcos.
Em destaque estiveram canções como ‘O Malhão da Roda Nova’ (de Tebosa), ‘O Malhão Velho’, cantares polifónicos, um romance, o ‘Botar das Almas’ e a Romaria de S. João de Braga.
“É importante trazer esse material dos cancioneiros para o público’, considerou André Marcos.
Entre a assistência esteve a vereadora da Cultura na Câmara Municipal de Braga.
Lídia Dias salientou que a iniciativa ‘Canção Bracarense’ é já uma marca cultural da cidade.

“É uma forma de mostrar o nosso património. A questão fulcral é poderem passar a recolha feita do cancioneiro do Baixo Minho e mostrarem nesta roupagem, um pouco mais solene, porque há músicas próprias para serem cantadas num templo”, realçou Lídia Dias.
A ARCUM nasceu em 1991 e?é formada pelos seguintes grupos: Bomboémia - Grupo de Percursão da Universidade do Minho; Grupo Folclórico da Universidade do Minho; Grupo de Música Popular da Universidade do Minho; Grupo de Poesia da Universidade do Minho: Tuna Universitária do Minho e Tun’ao Minho - Tuna Académica Feminina da Universidade do Minho.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.