Correio do Minho

Braga, segunda-feira

- +
Atas do II Congresso Internacional de Guimarães disponíveis para consulta
Menos casos novos de infectados no Minho

Atas do II Congresso Internacional de Guimarães disponíveis para consulta

“Foi muito difícil chegar a casa e não abraçar a minha filha e mulher”

Atas do II Congresso Internacional de Guimarães disponíveis para consulta

Vale do Ave

2020-02-14 às 21h21

Redacção Redacção

Documentos podem ser consultados de forma livre na página online do Arquivo Municipal Alfredo Pimenta.

As atas do II Congresso Internacional de Guimarães – “As Cidades na História: Sociedade (2017)” estão disponíveis para consulta através de publicação e ainda em versão digital, através da página online do Arquivo Municipal Alfredo Pimenta. A obra está dividida em seis volumes, repartidas pelos temas “Cidade Antiga”, “Cidade Contemporânea”, Cidade Industrial”, “Cidade Medieval” e “Cidade Moderna”, resultado da participação de mais de uma centena de investigadores.
 
A sessão de apresentação decorreu esta sexta-feira, 14 de fevereiro, com as presenças de Adelina Pinto, vice-presidente da Câmara Municipal de Guimarães, Diego Ramiro, Presidente do Comité Científico, Antero Ferreira, da Casa de Sarmento e Alexandra Marques, do Arquivo Municipal Alfredo Pimenta.
 
Está patente o objetivo de tornar Guimarães um centro de estudo da história das cidades, na sequência do posicionamento demonstrado ao nível do conhecimento científico. A vice-presidente da Câmara de Guimarães destacou a “importância das cidades” num contexto de afirmação e posicionamento para captação direta dos fundos da União Europeia. “Este caminho será possível se tivermos conhecimento e a história é a fonte maior de conhecimento para ajudar a tomadas de decisão”. Adelina Pinto lembrou que “Guimarães tem demonstrado a sua posição na dianteira em várias frentes, aliando a parte histórica e cultural como matriz, mas sempre numa linha de contemporaneidade e crescimento” ao ponto de alavancar projetos que “se tornem possíveis de serem replicáveis”.  
 
Diego Ramiro sublinhou o “grande amor” dos Vimaranenses “à cidade”, “à cultura” e “à ciência”, no resultado de um Congresso que permitiu contributos para a “transformação” no plano internacional. “Guimarães é uma referência na história das cidades e este estudo pode revolucionar a cidade no turismo cultural e tornar Guimarães como um polo de referência”. Deu conta que o conceito de “grandes cidades” está transformado, em comparação com os anos 50 na sequência do desenvolvimento. “Hoje em dia é importante saber que temos mais de 70 cidades no mundo com a dimensão de Nova Iorque, Tóquio ou Londres, com especial incidência em países como Índia ou China”, comparou o Presidente do Comité Científico do Congresso.
 
O próximo Congresso Histórico Internacional terá lugar em 2022 e incidirá no tema Economia.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho