Correio do Minho

Braga, quarta-feira

- +
Bom apetite, boa lampreia...
Estudo da UMinho aponta desequilíbrios da valorização florestal em Portugal

Bom apetite, boa lampreia...

Município de Braga em ‘acção’ europeia pelo clima

Bom apetite, boa lampreia...

Cávado

2020-02-29 às 06h00

Rui Miguel Graça Rui Miguel Graça

Até 30 de Abril os fanáticos da lampreia deslocam-se ao Alto Minho para saborear o tesouro que reina nas águas do Lima e do Minho. Ontem, a Comissão de Viticultura dos Vinhos Verdes quis honrar a iguaria e harmonizá-la com os néctares da região.

A comissão dos Vinhos Verdes possui três pesqueiras, que as alugou a pescadores locais. O pagamento é simbólico, feito em género, duas vezes ao ano. Ontem foi um dos momentos em que o pagamento chegou à mesa...
Foi na Estação Vitivinícola Amândio Galhano, localizada nos Arcos de Valdevez, que se “celebrou a região” e a “sazonalidade”, conforme destacou Manuel Pinheiro, presidente da Comissão.
A Estação foi fundada em 1986 pela Comissão com o objectivo de desenvolver boas práticas em viticultura na região. É uma organização de investigação e desenvolvimento dedicada a resolver os problemas dos produtores de vinho, ajudando-os a desenvolver novas soluções e práticas. É dirigida por João Garrido e para além da produção de material vegetativo, possui também uma espécie de museu, onde a preservação de plantas que foram abandonadas é o grande objectivo. Neste momento existem mais de 180 variedades. Tem ainda dois troféus: concretizou um tratamento pioneiro de combate à florescença dourada e um vinhão do outro mundo (que não é vendável, uma vez que pertence à Comissão).
Foi um Manuel Pinheiro orgulhoso do trabalho realizado por toda a região que teceu algumas considerações em torno do momento dos vinhos verdes. “Terminámos 2019 com um número recorde: 64,5 milhões de euros transacionados para 111 países do mundo. É um número recorde que nos deixa amplamente satisfeitos”. “Neste momento somos uma região de grande volume e o trabalho que estamos a fazer é no sentido de fazer crescer o preço médio que se paga ao produtor. Os quinze mil agricultores da região merecem que se faça esse trabalho, porque eles também têm realizado um trabalho fantástico. É importante que a riqueza regresse à origem e às regiões. Os produtores inovaram no produto, mas não ficaram por aí. Neste momento possuem uma cultura nova. Poucos eram aqueles que percorriam o mundo, mas neste momento podemos afirmar que há um produtor de vinho verde a promover o seu produto e a região em todos os cantos do planeta”, destacou o presidente da Comissão dos Vinhos Verdes, Manuel Pinheiro.
Sobre a lampreia propriamente dita, referiu que “tem tudo a ver com a região, com a sua identidade e com a sazonalidade”, referiu, recordando que ainda ontem recebeu a notícia que a ProWein 2020, uma das feiras mais importantes do sector, que se realiza na Alemanhã, não vai ser cancelada.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho