Correio do Minho

Braga,

- +
Braga quer criar equipa de monitorização do Rio Este
Está de volta o eterno dérbi minhoto com desfile de estrelas no castelo

Braga quer criar equipa de monitorização do Rio Este

Câmara assume gestão do Espaço Cidadão

Braga quer criar equipa de monitorização do Rio Este

Braga

2020-09-27 às 07h00

Paula Maia Paula Maia

Liderada pela Agência Portuguesa do Ambiente, ideia é cadastrar a vasta rede que dá acesso ao rio para melhor monitorizar o seu funcionamento.

A câmara de Braga quer criar uma equipa que cadastre e monitorize os vários pontos de acesso ao Rio Este para mais facilmente chegar aos infractores numa possível descarga no seu leito. A notícia foi avançada ontem pelo vereador do Ambiente, Altino Bessa, que participou numa acção de limpeza do rio, iniciativa inserida na Semana do Clima que a autarquia está a levar a cabo.
A câmara quer ver a Agência Portuguesa do Ambiente (APA) - que tem responsabilidade sobre o domínio público hídrico - a liderar esta equipa que integrará também outras entidades, nomeadamente a câmara de Braga, o SPENA (para fiscalizar nas zonas rurais), a PSP (zonas urbanas) e a Agere.
Depois de vários contratempos, o vereador do Ambiente avança que a reunião entre as entidades está agora agendada para dia 7 de Outubro.
“Pretendemos que haja uma equipa que possa monitorizar e tentar perceber a origem das várias redes que existem no terreno e que desaguam no rio, sendo que muitas não estão sinalizadas. Temos de tentar perceber se a nos levam a algum ponto, permitindo, caso haja alguma descarga, que as forças possam eventualmente intervir”.
Altino Bessa assegura que as descargas que o Rio Este tem sofrido são hoje “pontuais e muito curtas”, facto que dificulta muitas vezes o trabalho de detecção da sua origem, impondo uma necessidade de conhecer melhor a rede de pontos que confluem no rio. “Não existe um cadastro de todos as saídas para o rio. Existe de algumas, mas não estão interligadas, não se percebe bem onde se ligam em determinados pontos”, continua.
Quanto ao modo de actuação e fiscalização, Altino Bessa refere há uma tendência para condenar as entidades públicas, sublinhando que, em primeiro lugar, tem de haver uma maior responsabilização individual sobre a forma como actuamos com o meio ambiente. “O lixo não vai parar ao rio sozinho. Alguém o deita lá directamente ou nos arredores, acabando por também chegar a ele”. E continua: “Não há nenhum município ou entidade pública, a não ser pela via da sensibilização, que possa mudar estes comportamentos”, afiança o responsável, aferindo que a qualidade da água do rio Este tem melhorado nos últimos anos, com consequências visíveis no que à fauna e fora diz respeito.
A Semana do Ambiente decorre até dia 30 com uma panóplia de iniciativas de sensibilização à população de todos as idades.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho