Correio do Minho

Braga, sábado

- +
Cabeleireiros e esteticistas revoltados com mais um encerramento de portas
Município da Póvoa de Lanhoso investe cerca de 2,5 milhões de euros nas freguesias

Cabeleireiros e esteticistas revoltados com mais um encerramento de portas

Silas: “Esperamos um jogo difícil e aberto”

Cabeleireiros e esteticistas revoltados com mais um encerramento de portas

Braga

2021-01-15 às 10h00

Isabel Vilhena Isabel Vilhena

O cenário repete-se. Cabeleireiros, esteticistas e barbeiros vão fechar portas mais uma vez, e muitos receiam pelo futuro dos negócios. Estes profissionais sentem-se injustiçados, defendendo que tinham todas as condições para trabalhar em segurança.

Esta semana cabeleireiros, serviços de estética e barbeiros não tiveram mãos a medir. O confinamento anunciado pelo Governo levou muitos clientes antecipar marcações. Um cenário que vai contrastar com salões vazios que estão obrigados, a partir de hoje, a encerrar portas.
Alda Quintas é proprietária de um cabeleireiro e estética contou ao ‘Correio do Minho’ que “estávamos agora a levantar um bocadinho e voltamos a cair. Vão ser tempos difíceis, sem facturar e as despesas são fixas ao final do mês”.
Para Alda Quintas é incompreensível que este sector de actividade volte a ser ‘castigado’. “Não dá para entender muito bem. Não há um contacto directo com a pessoa, trabalhamos por marcação e temos dois a três clientes no máximo cá dentro,”, explicou Alda Quintas enquanto cortava o cabelo a um cliente que também foi dizendo que “nos hipermercados é que se vêem multidões e não faz sentidos encerrar estes serviços”.
“Não tenho palavras para descrever este momento”, confessou a cabeleireira Cristina Moita. “É frustrante estarmos a trabalhar com todas as condições e sentirmos que por causa de algumas pessoas que não respeitaram as medidas vamos ter que confinar. É muito triste!”
Cristina Moita afirmou que fez “um investimento inicial para podermos atender os clientes com toda a segurança, continuamos a fazê-lo, não há grandes casos nos cabeleiros e temos todos os cuidados de desinfectar tudo, de acordo com as recomendações da Direcção Geral de Saúde, e agora todo o investimento foi em vão”, lamentou.
‘Revoltada’ com a falta de cumprimento da generalidade das pessoas, a expectativa de Cristina Moita é que “toda a gente cumpra as regras, de uma vez por todas, que respeite o que é exigido para conseguirmos superar esta situação”.
Também a esteticista Cláudia Ferreira considera “injusto” este encerramento, justificando que “temos tido todos os cuidados, com um número limitado de pessoas no interior e os apoios do Estado têm sido quase nulos”, lembrando que na estética “atendemos um cliente de cada vez, respeitando todas as normas de higiene e segurança. Há medidas incompreensíveis, se por um lado, deixam ter igrejas cheias de gente rezar, por outro lado, nós não podemos trabalhar”.
À pergunta como serão os próximos tempos, Cláudia Ferreira contou que vai sobreviver “com o apoio dos clientes que compram cremes sem precisar, com o apoio da família e fazendo algumas restrições, sem cortar no essencial que é a alimentação”.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho