Correio do Minho

Braga, segunda-feira

Centro já apoia 22 deficientes de vários concelhos com cuidados personalizados
Investigadores da UMinho vencem prémio de melhor artigo

Centro já apoia 22 deficientes de vários concelhos com cuidados personalizados

Goleada de mão cheia na despedida da II Liga

Braga

2019-04-23 às 07h11

Lurdes Marques

Localizado na Póvoa de Lanhoso, presta apoio a pessoas com multidificiências através de um corpo de assistentes multidisci-plinar, chegando já a cidadãos dos concelhos de Braga, Póvoa de Lanhoso, Fafe, Guimarães, Cabceiras, Amares e Famalicão.

O Centro de Apoio à Vida Independente (CAVI) é direccionado a pessoas com deficiência de carácter permanente, certificada pelo Atestado de Incapacidade Multiuso ou Cartão de Deficiente das Forças Armadas, com grau de incapacidade igual ou superior a 60% e idade igual ou superior a 16 anos; pessoas com deficiência intelectual, pessoa com doença mental e pessoas com perturbação do espectro do Autismo, desde que tenham 16 ou mais anos de idade, independentemente do grau de incapacidade.
A assistência pessoal, trabalho profícuo e com excelentes resultados, começou em Março, estando a ser preparada uma segunda formação de assistentes pessoais a ser realizada já no mês de Maio.
Joana Branco, directora técnica e psicóloga do CAVI, lidera uma equipa que integra uma Técnica Superior de Serviço Social (Cátia Martins), uma Técnica Superior de Gestão (Catarina Silva) e uma Técnica Superior de Reabilitação Psicomotora (Sara Rodrigues). Neste momento, estão a ser apoiadas 22 pessoas portadoras de deficiência, dos concelhos de Braga, Guimarães, Fafe, Póvoa de Lanhoso, Cabeceiras de Basto, Amares e Vila Nova de Famalicão.
Domingos Silva, presidente da AADVDB, é um dos utentes do CAVI. Despindo a capa de presidente da instituição, afirma que este é um projecto que estava a fazer falta, contribuindo para a qualidade de vida dos portadores de deficiência. “Veio proporcionar-me uma maior independência, dar-me alguma liberdade, de poder ir a alguns locais que às vezes não tinha acesso pois não tinha quem me acompanhasse. Mas, acima de tudo, o mais importante disto e eu falo na deficiência visual, veio tirar alguma solidão que às vezes poderemos vir a ter ou temos”, declarou.
De momento, o maior apoio diz respeito a questões ligadas à higiene, alimentação, manutenção de saúde e cuidados pessoais. O cálculo do número de horas, como explicou Joana Branco, tem em conta factores como o grau de incapacidade e tipo de deficiência, situação familiar ou rendimentos. O apoio não tem qualquer custo para o utente.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.