Correio do Minho

Braga, quarta-feira

- +
Cidades mais determinantes no desenvolvimento sustentável
InvestBraga e Embaixada do Irão identificam oportunidades de investimento no mercado iraniano

Cidades mais determinantes no desenvolvimento sustentável

Braga integra Corredor Biológico Mundial

Cidades mais determinantes no desenvolvimento sustentável

Vale do Ave

2021-03-03 às 06h00

José Paulo Silva José Paulo Silva

Relatório de Sustentabilidade e Responsabilidade Social do Município de Vila Nova de Famalicão foi ontem apresentado. Documento está orientado com Agenda 2030.

O papel das cidades para o cumprimento dos Objectivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e da Agenda 2030 das Nações Unidas “é determinante”, mas as que “quiserem competir à escala global precisam de estar bem apetrechadas do ponto de vista dos dados”. A ideia foi defendida por Jorge Moreira da Silva, director-geral de desenvolvimento e cooperação da OCDE, ontem, na videoconferência de apresentação do Relatório de Sustentabilidade e Responsabilidade Social (RSRS) de Vila Nova de Famalicão.
Para este especialista em alterações climáticas, energia, desenvolvimento sustentável e ajuda ao desenvolvimento, o RSRS é revelador de “uma liderança persistente de Famalicão”, até porque “não existem tantos municípios que tenham abraçado esta causa”.
Este segundo RSRS, que agrega e analisa dados de 2018 e 2019 relativos à governança, economia, ambiente e área social, visa monitorizar o contributo da actividade do Município de Vila Nova de Famalicão para o cumprimento das metas dos ODS.
O presidente da Câmara Municipal, Paulo Cunha, justificou que o seu executivo não se avalia segundo uma “métrica” local, mas tem em conta “objectivos globais” de desenvolvimento sustentável”.
A prática de elaboração de relatórios de sustentabilidade, comum ao nível das empresas, ainda escasseia no universo municipal, situação que o autarca famalicense lamenta, já que entende, tal como Jorge Moreira da Silva, que as políticas locais devem contribuir para se atingirem as metas globais de sustentabilidade social, ambiental a até económica.
Paulo Cunha identificou outro propósito que decorre da publicação do?relatório: “um envolvimento das instituições, colaboradores municipais, fornecedores, clientes e da comunidade em geral na gestão municipal”.
O presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão acrescenta, assim, à sustentabilidade ambiental, social e económica a necesssidade da “sustentabilidade democrática”.
“Precisamos de mais sustentabilidade democrática nas instituições, o que exige mais transparência e sinceridade”, afirmou o edil, considerando que o RSRS cumpre o princípio da transparência, ajudando a “identificar riscos e oportunidades ligados à sustentabilidade” através da “leitura dos nossos indicadores sociais, económicos e ambientais”.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho