Correio do Minho

Braga, terça-feira

- +
Câmara mantém disponibilidade para ceder Confiança
Município de Esposende aprovou Documentos Previsionais para 2021

Câmara mantém disponibilidade para ceder Confiança

Na corrida a Capital Europeia da Cultura 2027

Câmara mantém  disponibilidade para ceder Confiança

Braga

2020-10-20 às 08h00

Marlene Cerqueira Marlene Cerqueira

Ricardo Rio referiu ontem que a Câmara continua disponível para ceder a Confiança para residência universitário. Edifício já está classificado como monumento de interesse público.

Ricardo Rio referiu ontem que a Câmara de Braga continua disponível ceder o edifício da antiga fábrica Confiança para ali ser construída uma residência universitária pública, com cerca de 300 camas.
A disponibilidade da autarquia foi reafirmada na reacção do edil à classificação do edifício da antiga Saboaria e Perfumaria Confiança como monumento de interesse público, cuja portaria foi publicada ontem em Diário da República.
O pedido de classificação partiu da Direcção-Geral do Património Cultural e foi deferido pela secretária de Estado Adjunta e do Património Cultural, Ângela Carvalho Ferreira.
Na reacção, Ricardo Rio criticou o Governo pelo “muito imobilismo” em relação a novas residências universitárias. O autarca notou que o Governo tem apostado em efectuar acordos com estabelecimentos particulares em vez de avançar com a construção de novas residências.
“Continuamos disponíveis”, referiu Ricardo Rio, considerando que o projecto existente para a Confiança e já apresentado publicamente “é bom” tanto para o Estado como para um promotor privado.
Recorde-se que a fábrica Confiança foi inaugurada em 1921, tendo produzido perfumes e sabonetes até 2005.
Em 2012, foi adquirida pela câmara por 3,6 milhões de euros, chegando a decorrer um concurso de ideias para o fim a dar ao edifício.
Em 2018, o executivo liderado por Rio aprovou a venda do edifício alegando falta de fundos disponíveis para a reabilitação e tendo em conta o elevado estado de degradação do edificado.
A câmara já promoveu duas hastas públicas para tentar alienar o imóvel, pelo preço base de 3,6 milhões de euros, mas não apareceu nenhum interessado.
Por isso, a autarquia avançou com a hipótese de disponibilização do edifício para ali ser construída uma residência universitária pública, com cerca de 300 camas.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho