Correio do Minho

Braga,

- +
Companhia de dança Olga Roriz comemora 25 anos na Casa das Artes
Município desafia entidades a participar no programa ‘Florestar Braga’

Companhia de dança Olga Roriz comemora 25 anos na Casa das Artes

Desequilíbrio entre géneros é “notório”

Companhia de dança Olga Roriz  comemora 25 anos na Casa das Artes

Vale do Ave

2020-09-28 às 22h22

Redacção Redacção

Depois da sua estreia, em Lisboa, no Teatro Nacional D. Maria II, a criação de Olga Roriz ruma até Vila Nova de Famalicão, espetáculo único a norte do rio Douro agendado até à dat

A mais destacada companhia de dança portuguesa, com um trabalho de criação regular, traz à Casa das Artes de Famalicão, dia 03 de outubro, às 21h30, a sua mais recente coreografia: “Seis Meses Depois”. Trata-se de um espetáculo em que o teatro municipal famalicense é coprodutor e um dos parceiros nacionais da companhia que está a comemorar 25 anos de atividade.

Depois da sua estreia, em Lisboa, no Teatro Nacional D. Maria II, a criação de Olga Roriz ruma até Vila Nova de Famalicão, espetáculo único a norte do rio Douro agendado até à data.

Depois da reflexão expressa em “Autópsia”, coreografia estreada em novembro de 2019, sobre o impacto negativo que o ser humano tem vindo a causar ao planeta, “Seis meses depois” parte para a essência da Humanidade que perdura em cada um de nós, apesar de a sociedade nos consumir, formatar e massificar.

A coreografia procurar vivenciar um imaginário emocional num futuro datado: 2307; e num planeta identificado como “Terra 3”. Neste contexto, algo humanos, semideuses ou heróis, imaginamos a nossa existência em sete personagens ao acaso.

As personagens da nova coreografia – Zhora Fuji, Naoki 21, Dawnswir, Gael Bera Falin, Kepler 354, Priscilla Noir e Human Cat – habitam a cidade de Tannhauser.

"Caminhamos de intemporalidade em intemporalidade, num espaço celestial entre telas de cinema. A resiliência dos corpos de mãos dadas recupera os lugares ao longe, num presente que se escapa por entre os pés. Seis meses depois, uma entropia paira em todas as partículas. Tudo congelado! Já morremos, ou iremos morrer. Seremos breves como o primeiro sopro que engolimos à nascença", descreve Olga Roriz, num texto sobre a peça.

Esta criação tem direção de Olga Roriz e, como intérpretes, André de Campos, Beatriz Dias, Bruno Alves, Catarina Câmara, Francisco Rolo, Marta Lobato Faria, Yonel Serrano. A banda sonora e o vídeo são de João Rapozo, a seleção musical, de Olga Roriz e João Rapozo, a cenografia e figurinos são de Olga Roriz e Ana Vaz, o desenho de luz, de Cristina Piedade, a assistência de cenografia, de Daniela Cardante e, a assistência de figurinos e adereços, de Ana Sales.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho