Correio do Minho

Braga, segunda-feira

Compasso da Páscoa atravessou o rio em Fiscal para unir a freguesia
São João de Braga distinguido com Prémio Cinco Estrelas 2019

Compasso da Páscoa atravessou o rio em Fiscal para unir a freguesia

Celíacos: em caso de dúvida peça análises

Cávado

2019-04-23 às 06h00

Miguel Viana

Cruz Pascal percorreu várias casas da freguesia de Fiscal até ser transportada em barco à vara ao longo de uma parte do rrio Homem. Trajecto foi acompanhado por milhares de pessoas que se juntaram nas duas margens do rio.

A tradição da segunda-feira de Páscoa cumpriu-se ontem, na freguesia amarense de Fiscal, com o compasso a atravessar, em barco à vara, o rio Homem. A travessia foi feita ao som dos acordes da Banda Musical de Cabreiros (cujos músicos acompanharam a Cruz em dois barcos) e por milhares de moradores de Fiscal e das freguesias e concelhos vizinhos, ao longo das duas margens do rio.
A tradição é ancestral e constitui, no entender do presidente da Câmara Municipal de Amares, Manuel Moreira, um autêntico cartaz turístico do concelho.
“Esta é uma tradição muito importante, com a travessia do rio (Homem). Traz muita gente à freguesia e para o concelho. Atrai todos os anos muita gente e leva longe a imagem do concelho. O povo de Fiscal saber receber bem”, destacou o autarca amarense.
Manuel Moreira frisou, também, que se trata de um “momento de união, apesar de haver um bocadinho de tristeza, porque o senhor padre Joaquim Costa (foi padre da freguesia durante cerca de 50 anos, e faleceu recentemente) deixou-nos muito cedo e a mim custou-me imenso. Mas o povo de Fiscal vai continuar a fazer este evento marcante para a freguesia e para o concelho.”
O presidente da Junta de Freguesia de Fiscal, Augusto Macedo, realçou que a tradição da Páscoa permite “manter unida a freguesia e reviver uma tradição
que queremos manter. Este ano é para honrar a morte do senhor padre Joaquim”. O autarca de Fiscal lembrou que praticamente toda a freguesia participa na tradição.”
O compasso foi presidido pelo ex-seminarista e frequentador do curso de estudos teológicos da Universidade Católica do Porto, na tural da Tanzânia, Joseph Malinbali Rodrick. “É uma experiência muito boa para mim. É a primeira vez que participo no compasso e estou a gostar muito e gostaria que houvesse estes compassos na Tanzânia”, disse o jovem seminarista da Congregação do Espírito Santo.
O compasso teve como mordoma Maria do Sameiro Abreu, que se mostrou feliz por puder ajudar numa tradição da freguesia. “É uma alegria muito grande ser mordoma. Fui eu que planeei ser a mordoma. Contei com a ajuda dos meus irmãos, mas eu é que paguei tudo” disse Maria do Sameiro, acrescentando que os preparativos para o Compasso de Fiscal começaram a 22 de Julho de 2018.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.