Correio do Minho

Braga,

- +
Conquistadores cumprem com os serviços mínimos
Pedro Gouveia Alves critica gestão do Montepio

Conquistadores cumprem com os serviços mínimos

APLOG reuniu responsáveis empresariais e políticos

Conquistadores cumprem com os serviços mínimos

Desporto

2021-10-17 às 06h00

Rui Miguel Graça Rui Miguel Graça

Apuramento sem chama e mercê de um golo de Marcus Edwards. Oliveira do Hospital agigantou-se, mas nunca chegou ao golo.

Ponto prévio: O Vitória garantiu o apuramento para a próxima fase da Taça de Portugal. O objectivo foi cumprido. De que forma? Sem chama e à custa dos serviços mínimos.
Certo é que a equipa orientada por Pepa entrou mandona no jogo e chegou com naturalidade ao tento inaugural por intermédio do inglês Marcus Edwards, que só teve que encostar para o fundo das redes. Parecia que se ia desenhar um passeio dos Conquistadores mas foi puro engano, uma vez que a formação que milita na Liga 3 ia crescer no jogo, fazer das tripas coração para tentar tombar o gigante da cidade Berço.
O momento de viragem surge após a grande penalidade desperdiçada pelos minhotos em cima da meia-hora, numa falta sobre Bruno Duarte.

Nando defendeu, ouviram-se gritos “Oliveira, Oliveira” em Tábua e o conjunto de Tozé Marreco ganhou vida. Foi apalpando terreno, foi acreditando e foi aproximando-se da baliza de Bruno Varela. Os últimos minutos do encontro foram mesmo frenéticos e de nervos, sendo que a cinco dos noventa João Pais perdeu, no coração da área, clamorosa oportunidade para chegar ao empate.
Num Vitória muito próximo do melhor onze de Pepa há muito por trabalhar para os próximos tempos.

Pepa: “Quebrámos após o penálti”

Apesar da vitória, Pepa reconheceu que há aspectos a trabalhar na sua equipa. Circunstâncias que inclusivamente estão idenficadas. “Tivemos uma entrada boa, com qualidade, com circulação e fizemos o primeiro golo com naturalidade. Tivemos mais uma ou outra oportunidade, com jogo interior, que nos deu inclusivamente o penálti. A partir daí, é algo que está identificado e que temos que resolver. Quando temos tido adversidades no jogo e falhar um penálti foi uma adversidade, a outra equipa cresce em termos emocionais e nós viemos por ali abaixo. E não pode acontecer. Não pode a este nível. Tínhamos o jogo controlado e estávamos bem diante do Arouca, mas sofremos um golo até caricato e a equipa quebrou muito. Com o Benfica após o segundo golo igual. E, neste desafio, numa altura em que estávamos bem e confortáveis falhámos o pénalti e não nos encontramos mais. Está identificado e cabe-nos a nós, jogadores e equipa técnica resolver isso”, destacou o timoneiro.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho