Correio do Minho

Braga, quarta-feira

- +
Covid-19: Escola de Vieira do Minho manda dois alunos para casa, pais criticam “secretismo”
Estratégia Nacional para o Mar 2030 é “oportunidade” para mudar de paradigma

Covid-19: Escola de Vieira do Minho manda dois alunos para casa, pais criticam “secretismo”

‘Rumo ao Sucesso’ tem novas valências

Covid-19: Escola de Vieira do Minho manda dois alunos  para casa, pais criticam “secretismo”

As Nossas Escolas

2020-03-02 às 22h02

Redacção Redacção

Uma escola em Vieira do Minho mandou dois alunos, irmãos, para casa durante uma semana, depois de um deles ter estado em Milão, mas os pais dos outros alunos queixam-se de não terem sido informados da situação.

Uma escola em Vieira do Minho mandou dois alunos, irmãos, para casa durante uma semana, depois de um deles ter estado em Milão, mas os pais dos outros alunos queixam-se de não terem sido informados da situação.
O presidente da Câmara, António Cardoso, disse que a escola “fez o que tinha a fazer” e elogiou o facto de não ter sido criado “um alarmismo desnecessário” junto de todos os pais.
“Não há qualquer sintoma (do novo coronavírus) nem há nada. As crianças foram aconselhadas a irem para casa uma semana, os pais aceitaram e, felizmente, tudo está a correr normalmente”, acrescentou o autarca.
Em causa está a Escola Básica Domingos de Abreu, que conta com mais de 300 crianças, entre pré-primária e 1.º ciclo.

A representante dos pais, Clara Malainho Carneiro, disse que um aluno esteve em Milão com a mãe no fim de semana de Carnaval, tendo regressado à escola na quinta-feira, conjuntamente com o irmão.
“Passaram todo o dia na escola e só na sexta-feira é que um deles contou à professora que tinha estado em Milão. Os dois irmãos foram mandados para casa, a coordenadora da escola comunicou ao agrupamento mas o agrupamento achou por bem não informar os pais das restantes crianças, alegadamente para não criar alarme”, contou.
Disse ainda que não foi feita a “devida limpeza preventiva” na escola durante o fim-de-semana.

“Só hoje é que apareceram com umas caixinhas com álcool para cada uma das turmas”, criticou. Segundo Clara Malainho, só no sábado é que os pais “começaram a ouvir falar” sobre a situação da escola.
“Os alarmes soaram, naturalmente. Somos pais e ficamos preocupados. Consideramos que tínhamos o direito de ser informados e que o agrupamento tinha o dever de o fazer”, acrescentou.
Para o presidente da Câmara, a escola “esteve muito bem”, tendo tomado todas as medidas necessárias mas agindo com discrição, para não criar alarme junto da comunidade escolar.
“Os pais dos alunos em causa foram chamados à escola, manifestaram logo disponibilidade para colaborar, felizmente não há quaisquer sintomas e está tudo a correr bem”, esclareceu António Cardoso.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho