Correio do Minho

Braga,

- +
Cávado regista preocupações com gestão dos fundos europeus
‘Amares Urban Fit’ com 1100 atletas

Cávado regista preocupações com gestão dos fundos europeus

CIM Alto Minho promove cultura acessível

Cávado regista preocupações com gestão dos fundos europeus

Cávado

2022-05-12 às 06h00

Redacção Redacção

NORTE 2030 esteve em análise na primeira reunião do Conselho Estratégico de Desenvolvimento Intermunicipal. Descentralização e regionalização também estiveram em debate.

Citação

Os membros do Conselho Es-tratégico de Desenvolvimento Intermunicipal do Cávado (CEDI) assumiram anteontem, em Esposende, na primeira reunião do órgão consultivo da Comunidade Intermunicipal do Cávado (CIM Cávado) “preocu- pação quanto à complexidade do processo” de distribuição dos novos fundos comunitários na região, alertando para a sua “dimensão excessivamente burocrática”.
O CEDI discutiu os programas Portugal 2030 e NORTE 2030 tendo os conselheiros concluído que “não parecem ter sido devidamente acauteladas as principais preocupações das empresas” e que “de uma análise preliminar detecta-se um excessivo financiamento das áreas metropolitanas em detrimento das autarquias e das comunidades intermunicipais”.  
O CEDI conta com dezenas de entidades representativas das áreas da acção social, economia, educação, religião, agricultura, cultura e empresarial.
Na primeira reunião do CEDI Rui Monteiro, da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N), apresentou as linhas gerais do NORTE 2030, bem como os objectivos prioritários a alcançar no novo período de programação 2021/2027 para a região Norte e, em particular, para o Cávado.
Foi também feita uma análise geral do estado da transferência de competências do Estado central para os municípios, nomeadamente nas áreas da saúde, acção social e educação, tendo os representantes dos agrupamentos de centros de saúde e do Centro Distrital de Braga da Segurança Social demonstrado abertura para continuar a trabalhar na concretização deste processo. Os municípios manifestaram as suas preocupações ao nível da operacionalização, nomeadamente no estado dos equipamentos e do envelope financeiro proposto.
O presidente do Conselho Intermunicipal, Ricardo Rio, exortou a uma participação activa quanto à discussão e análise do processo de regionalização que se prevê durar até 2024. 
Deu nota que é intenção da CIM Cávado, em articulação com a CCDR-N, sensibilizar as populações para as vantagens da regionalização para o território, nomeadamente para as empresas e para o ensino superior.
Lançou ainda um desafio para as entidades de ensino superior e às associações empresariais discutirem esta matéria, desenvolverem estudos sobre a eficiência e eficácia deste processo e sensibilizarem as suas comunidades para o tema.
Para Ricardo Rio, “a envolvência destas entidades no desenvolvimento intermunicipal merece ser acompanhada dados os condicionalismos e desafios que a União Europeia neste momento padece – com o conflito armado na Ucrânia, a escalada de preços, e os desenvolvimentos geopolíticos - que obrigam a uma maior reflexão das necessidades que os actores do nosso território têm”.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login Seta perfil

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a Seta menu

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho