Correio do Minho

Braga, quinta-feira

- +
Escuteiros regressam à sede com saudades
Arcos de Valdevez investe cerca de 1,4 M€ naAmpliação da Rede de Abastecimento

Escuteiros regressam à sede com saudades

Famalicão mantém abertos serviços essenciais nas vésperas de feriados

Escuteiros regressam à sede com saudades

Braga

2020-09-20 às 06h00

Patrícia Sousa Patrícia Sousa

Com 107 elementos, o Agrupamento n.º 459 - Palmeira retomou este fim-de-semana a actividade com todas as secções. Chefe de agrupamento garante que têm as condições de segurança e higiene asseguradas, mas há receio de ‘perder’ elementos.

Lobitos, Exploradores, Pioneiros e Caminheiros do Agrupamento n.º 459 - Palmeira do Corpo Nacional de Escutas (CNE) já têm saudades do escutismo. Este fim-de-semana tiveram, finalmente, a oportunidade de regressar à sede com todas as regras de higiene e segurança recomendadas. À sua espera estavam, ansiosos, os dirigentes.
“Tenho um pouco de receio de toda esta situação, mas estamos preparados”, assegura o chefe de agrupamento, Domingos Peixoto, acreditando que um ou outro elemento não volte mais.

Quando foi obrigatório o confinamento, o agrupamento reuniu as circulares da Junta Central do CNE e adaptou as regras à realidade do agrupamento. “Estivemos sempre em contacto com os miúdos on-line, como também fomos falando com os pais para perceber se estava tudo bem e tivemos sempre feedback positivo”, recorda o dirigente, lembrando que os pais comentavam que os filhos estavam “com uma vontade louca de regressar aos escuteiros”. Ter “saudades” é normal, acrescenta o chefe de agrupamento, porque “muitos dos miúdos andam no agrupamento desde Lobitos e têm amigos de uma vida”.

Perante a realidade actual, o chefe de agrupamento garante que “o escutismo faz cada vez mais falta”. E Domingos Peixoto explica: “o tipo de actividades que fazemos no escutismo são fundamentais para o desenvolvimento e crescimento das crianças e jovens”.
Entretanto, os Caminheiros (jovens dos 18 aos 22 anos) já estão a trabalhar e os Lobitos (crianças dos 6 aos 10 anos) tiveram uma actividade no final de Julho. Mas só este fim-de-semana, as quatro secções retomaram a actividade na sede.
“Temos espaço suficiente na sede e vamos ter que dividir as secções por grupos para cada grupo ocupar um sala diferente e com dirigentes em cada uma”, refere.

Em agenda, o agrupamento tem a abertura do ano escutista marcada para o dia 27 de Setembro, onde vão assistir à eucaristia on-line e ter actividades ao ar livre durante a tarde. “Temos tudo planeado, vamos ver se vai ser possível realizar”, atira.
Entretanto, o agrupamento está a preparar uma actividade internacional para todos os elementos a Kandersteg, na Suíça, em Agosto de 2021. “Já andámos a trabalhar há algum tempo, em jeito de início de celebração dos 50 anos do agrupamento, que acontece em 2022”.

Dinâmica tem ‘chamado’ muitos escuteiros

O Agrupamento n.º 459 - Palmeira conta actualmente com mais de 100 elementos e o ‘segredo’ é a “dinâmica de um bom grupo”, assumiu o actual chefe de agrupamento, Domingos Peixoto, que está no agrupamento desde os seis anos.
Para o dirigente, o papel do antigo chefe de agrupamento é “crucial” para se conseguir manter esta dinâmica. “O chefe Alberto conseguiu criar aqui uma boa dinâmica. Temos três ou quatro gerações de dirigentes e o chefe Alberto sempre passou o escutismo aos novos dirigentes”, aplaudiu Domingos Peixoto, acreditando que para este “sucesso” também tem contado e muito os mais recentes dirigentes. “Os últimos dirigentes formados nasceram no agrupamento, ou seja, estão cá desde Lobitos (6 aos 10 anos) e fizeram a escola toda. Isto é muito importante e uma mais-valia, por isso, temos um bom grupo que consegue cativar os miúdos para trabalhar e estar presente”, realçou o dirigente que espera que o agrupamento continue a “fazer a diferença” na vida destas crianças e jovens, que foram criando amizades e hoje são uma verdadeira família.

Quando não está a correr menos bem, porque também já aconteceu, o agrupamento apostou em actividades de divulgação junto das crianças da catequese e na escola. “Correu muito bem e conseguimos sempre atrair mais elementos”, contou o dirigente, esperando continuar a manter esta dinâmica.
As reuniões de secção são realizadas aos sábados e o agrupamento aposta em actividades fora da sede. “Não reuníamos só dentro da sede, fazemos muitas actividades no exterior e coincide com o horário da catequese e isso ajuda, porque é forma de mostrar o nosso trabalho”, assumiu.

O chefe de agrupamento aproveitou a oportunidade para agradecer o apoio da Junta de Freguesia de Palmeira. “Todos os anos reunimos com a junta de freguesia para apresentar o nosso plano de actividades e está sempre disponível para colaborar financeiramente e materialmente com o que for necessário”, enalteceu.
O apoio e presença do assistente do agrupamento também tem sido ‘peça fulcral’. “O assistente tem acompanhado o agrupamento para todo o lado e isso é muito bom. Sem ele também não conseguíamos trabalhar como trabalhamos”, confessou o chefe de agrupamento, Domingos Peixoto.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho