Correio do Minho

Braga, quarta-feira

- +
“Espero não sair sem ganhar um troféu”
Famalicão: Rota de Camilo ganha impulso com duas candidaturas aprovadas

“Espero não sair sem ganhar um troféu”

Município de Terras de Bouro comparticipa fichas escolares

“Espero não sair sem ganhar um troféu”

Desporto

2020-03-27 às 06h00

Ricardo Anselmo Ricardo Anselmo

Nilson abriu o livro da história da sua vida e contou várias passagens que mais o marcaram. Ganhar um título com o SC Braga é sonho para cumprir.

Tido como uma das figuras do SC Braga/AAUM, Nilson é, também, uma referência no futsal nacional. As palavras-chave que o definem são a eficácia (defensiva) e a entrega (dentro da quadra). Aliás, ser reconhecido pelas tarefas defensivas dentro do terreno de jogo, garantem não é um problema.
“Cada um tem a sua função dentro de campo. Posso e devo atacar mais e melhor e ao longo dos anos, mesmo não fazendo muitos golos, mostro que estou a melhorar nesse aspecto. Aliás, este ano já tenho sete golos, tenho mais golos que alguns colegas cuja função é desequilibrar e costumo gozar com eles por causa disso”, brinca, ao mesmo tempo em que elege o melhor e o pior momento da carreira

“O melhor momento da carreira foi ser campeão europeu. O pior momento foram as lesões. Estou no sétimo ano no SC Braga e antes de vir para cá estive cerca de um ano e meio parado devido a uma lesão no joelho. Após a primeira operação ao ligamento fiquei parado seis meses e quando voltei tive outra lesão. Nessa altura pensei: ‘não vou aguentar isto outra vez’. O Paulo Tavares, a quem agradeço muito, foi buscar-me e estendeu-me a mão nesse momento. Ficar sem fazer o que mais gostava durante um ano e meio foi muito difícil, ainda para mais quando tinha 20 anos e estava a começar a jogar pelos seniores na Portela. Passou-me pela cabeça desistir, passar mais de um ano só com fisioterapia e ginásio é complicado”, lamenta.
Futsal e futebol são modalidades, à primeira vista, parecidas, mas Nilson frisa que têm as suas diferenças.

“Na minha opinião, é muito mais difícil jogar futsal do que futebol. No futebol tens espaço e tempo para pensar. No futsal é sempre a correr. Eu só não jogo futebol porque o futsal estava mais perto de casa, se não eu acho que podia jogar futebol e acho que seria mais fácil jogar. Se virmos os grandes jogadores de futebol, muitos passaram pelo futsal. O futsal dá bases aos jogadores de futebol na técnica do passe, na recepção da bola e no raciocínio”, atira, sem deixar passar um dos maiores desejos que tem para cumprir no SC Braga.
“Espero não sair do SC Braga sem ganhar um troféu, como muitos saíram e que deram muito ao clube, como o nosso ex-capitão André Machado. Quero ter em casa uma medalha de campeão pelo SC Braga. Já tenho uma de finalista e dessa não gosto muito”, concluiu.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho