Correio do Minho

Braga, quarta-feira

- +
Famalicão acolhe maior terminal ibérico
Sequeira e Raul Silva de regresso para o ‘ataque’ aos búlgaros

Famalicão acolhe maior terminal ibérico

Simon Banza é aposta claramente ganha

Famalicão acolhe maior terminal ibérico

Vale do Ave

2021-09-16 às 09h00

Redacção Redacção

Terminal Ferroviário de Lousado deve ficar concluído até final de 2022 e vai criar 45 postos de trabalho directos. Medway apresenta projecto que considera “totalmente reformulado, mais moderno, mais arrojado, com melhor tecnologia”.

Dois anos e meio depois de uma primeira apresentação do maior terminal ferroviário de mercadorias da Península Ibérica a construir em Vila Nova de Famalicão, a Medway, empresa líder em Portugal, voltou a apresentar o projecto “totalmente reformulado, mais moderno, mais arrojado, com melhor tecnologia” e com o dobro do investimento do que o inicialmente anunciado, tendo passado de 35 milhões de euros para 63 milhões.
O presidente do Conselho de Administração da Medway, Carlos Vasconcelos, explicou que a paragem provocada pela pandemia “permitiu-nos reformular o projecto, introduzindo melhoramentos a vários níveis, nomeadamente no que diz respeito à tecnologia de ponta, o que claro aumentou o investimento”.
Apesar disso, a obra vai avançar em breve, prevendo-se que fique concluída até final de 2022. Numa fase inicial a infraestrutura irá implicar a criação de 45 postos de trabalho directos, anunciou o responsável.
No essencial, com a ligação ferroviária directa, através da Linha do Minho, bem como com as acessibilidades rodoviárias através de diversas vias principais, este terminal irá potenciar a indústria exportadora local, facilitando a logística das suas mercadorias, contribuindo, desse modo, para a economia e o emprego da região. “Ao aproximarmo-nos do local de recepção das mercadorias estamos a encurtar as distâncias. Com esta obra traremos o Porto Marítimo para Famalicão”, referiu Carlos Vasconcelos explicando que “este terminal irá permitir uma maior proximidade, reduzir distâncias e claro baixar custos”.
Satisfeito com o projecto, estava o presidente da câmara municipal, Paulo Cunha que afirmou estarem “reunidas as condições para que este projecto avance muito em breve”. “É um projecto muito importante para Famalicão, porque é um projecto indutor de desenvolvimento e que vai cativar mais empresas para Famalicão, um território que tem ainda tem um potencial de crescimento industrial muito grande. É um projecto bom em si mesmo, mas é muito melhor por aquilo que trazer para Famalicão no futuro”, acrescentou o autarca.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho