Correio do Minho

Braga, sexta-feira

- +
FC Famalicão lança futsal para chegar a médio prazo à I Divisão
Vertente cultural é essencial para afirmar identidade da eurorregião

FC Famalicão lança futsal para chegar a médio prazo à I Divisão

Ministra da Cultura aprova a candidatura para a credenciação do Teatro-Cinema de Fafe na Rede de Teatros e Cineteatros

FC Famalicão lança futsal para chegar a médio prazo à I Divisão

Desporto

2021-07-27 às 06h00

Rui Serapicos Rui Serapicos

SC Cabeçudense e outras colectividades integram projecto, com protocolo válido por três anos assinado ontem. Formação conta centena e meia de praticantes, a partir dos 4 anos. Seniores têm já treinador a anunciar em breve, com missão de encaminhar clube da III Divisão Nacional para o escalão maior.

Válido por três anos, renovável automaticamente, o protocolo que ontem foi assinado pelos presidentes do FC Famalicão e Cabeçudense vem formalizar um projecto que conta também com a integração do Recreio Desportivo Futsal e ainda da Academia Sport Clube.
Dos 4 anos até aos seniores, cerca de 150 praticantes vão estar envolvidos sob o emblema desportivo mais representativo do concelho.
Jorge Silva, o presidente do FC Famalicão, explicou o avanço para o futsal como uma ideia que ganha força desde que Ricardo (um ex-jogador do SC Braga/ AAUM) passou a integrar, como vice-presidente, os órgãos sociais do clube.
Além disso, vincou a abertura do FC Famalicão no sentido de estabelecer tendo em vista o o desenvolvimento de outras modalidades, “parcerias com outras instituições do concelho”.
Realçou que o clube nunca irá desafiar outras colectividades, mas, se estas procurarem nesse sentido o FC Famalicão está aberto a projectos comuns.
Por outro lado, ainda segundo Jorge Silva, o futsal é também “uma modalidade que apaixona muitos famalicenses”. Por isso, manifestou a convicção de que, acrescentando o futsal, podem agora outros famalicenses que têm interesse no futsal “tornar-se sócios” do FC Famalicão.
Adiante, o presidente do clube observou que o protocolo ontem assinado “não implica trocas financeiras” e o FC Famalicão “não vai pagar nada”.
Questionado pelos jornalistas, Jorge Silva admitiu que, caso este projecto “cujo primeiro passo está agora a ser dado” venha a justificar, pode vir a lançar a construção de um pavilhão, mas destacou a prioridade à conclusão da academia de futebol.
Paulo Costa, o presidente do Cabeludense, explicou a dificuldade de sustentar em competições de nível nacional uma colectividade de freguesia.
“Não é fácil um clube pequeno de freguesia aguentar o barco nos nacionais”, acentuou.
O presidente do Cabeçudense destacou que com a integração do futsal no FC Famalicão o clube “não vai acabar”, explicando que outras modalidades vão manter o emblema.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho