Correio do Minho

Braga, quinta-feira

- +
“Formação ao longo da vida é um dos maiores desígnios nacionais”
Câmara de Viana do Castelo apoia operadores da Feira e Mercado Municipal

“Formação ao longo da vida é um dos maiores desígnios nacionais”

Os Med on Tour passaram por Celorico de Basto

“Formação ao longo da vida  é um dos maiores desígnios nacionais”

Ensino

2023-10-22 às 06h00

Joana Russo Belo Joana Russo Belo

Sessão de Abertura dos Mestrados do Instituto Politécnico do Cávado e do Ave - IPCA deu as boas-vindas aos mais de 500 novos alunos. Presidente Maria José Fernandes destacou a importância da formação ao longo da vida e investimento no conhecimento.

Citação

“A formação ao longo da vida tem que ser encarada como um desígnio de desenvolvimento e crescimento pessoal e profissional, não restando dúvidas de que é um dos maiores desígnios nacionais”. A opinião foi deixada pela presidente do IPCA - Instituto Politécnico do Cávado e do Ave, Maria José Fernandes, no discurso de saudação aos mais de 500 estudantes que, este ano, ingressaram nos cursos de mestrado e de mestrado profissional na instituição.
Na Sessão de Abertura dos Mestrados, a presidente lembrou que os cursos “têm um cariz mais prático e orientado para a resposta às necessidades profissionais das organizações” e enalteceu “a ousadia” por voltarem a estudar, aprofundando conhecimentos e competências”.
“Neste ano lectivo, o IPCA abre portas a cerca de 550 novos estudantes de mestrado o que representa um sinal muito claro da importância deste nível de oferta formativa para a formação avançada e especializada dos quadros superiores das empresas e organizações”, destacou, considerando que esta opção “de voltar a estudar, de ingressar num curso de mestrado, seja ele mais académico, seja de cariz profissional, tem ainda mais importância no contexto nacional e internacional que vivemos”.
“Um contexto marcado por enormes desafios decorrentes dos conflitos bélicos em que o mundo está mergulhado, a crise inflacionista, a crise habitacional e, também, das novas forma e concepções de trabalho”, frisou.
Para Maria José Fernandes, o facto de os estudantes terem optado por voltar a estudar significa “que compreenderam que, no mundo actual, é importante ser receptivo a novas e constantes aprendizagens ao longo da vida, a maior especialização e desenvolvimento de novas competências e que estas são ferramentas indispensáveis para enfrentar os desafios actuais e futuros em que estamos mergulhados”.
Aos novos alunos de mestrado, a presidente deixou ainda uma mensagem de confiança e incentivo: “contamos convosco, com o vosso conhecimento, com a vossa experiência, para progredirmos e avançarmos neste caminho. Um caminho que está agora mais fortalecido com a aprovação da legislação que permite a outorga de doutoramentos às universidades politécnicas”, revelou, assumindo como grandes desafios para este ano lectivo “acabar a obra do B-CRIC, que já está em bom porto, mas esteve parada duas semanas por causa da chuva intensa” e também “avançar com os primeiros doutoramentos”.

Deixa o teu comentário

Banner publicidade
Banner publicidade

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login Seta perfil

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a Seta menu

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho