Correio do Minho

Braga, terça-feira

- +
Galegos prevêm dificuldades em pagar portagens nas SCUT
Grupo Juvenil de Vila de Punhe distinguido como “Instituição de Mérito” no dia em que celebra 35 anos

Galegos prevêm dificuldades em pagar portagens nas SCUT

Município de Braga assinalou Dia da Biblioteca Escolar com oferta de livros

Galegos prevêm dificuldades em pagar portagens nas SCUT

Vale do Ave

2010-07-18 às 06h00

Redacção Redacção

Muitos galegos têm o hábito de tomar um café em Viana do Castelo. Este é um dos argumentos que Abel Caballero, presidente da Comissão Executiva do Eixo Atlântico, evocou no Porto para expressar as dificuldades que o pagamento de portagens nas SCUT vai causar.

A comissão executiva do Eixo Atlântico reuniu-se sexta-feira na Câmara do Porto, com as SCUT como tema principal e com o organismo a garantir que vai fazer chegar uma carta ao ministro das Obras Públicas, Transportes e Comunicações português contra a introdução de portagens nestas vias de circulação do Norte.

A posição do Eixo, que garante não ser “uma instituição reivindicativa”, será enviada também ao governo espanhol. “Constatamos que há uma dificuldade prática de estabelecimento das portagens nas SCUT no dia 1 de Agosto. Prevemos uma enorme dificuldade no pagamento das portagens porque há uma afluência massiva de automobilistas que vêm de Espanha e entram nas autoestradas portuguesas”, explicou aos jornalistas o presidente da Comissão Executiva do Eixo Atlântico, Abel Caballero.

Segundo o responsável, a introdução de portagens nas SCUT constitui “uma assimetria entre Portugal e Espanha” já que no âmbito da euro região e do desenvolvimento do eixo atlântico estabelece-se uma nova portagem no Norte de Portugal e não se prevê nenhuma portagem na zona da Galiza.

“Há hábitos sociológicos, comerciais e de consumos muito estabelecidos entre os diferentes povos e cidades da euro região. É muito frequente que uma pessoa de Vigo venha tomar um café a Viana do Castelo ou ao Porto, ou vice-versa”, afirmou Abel Caballero, acrescentando que “o estabelecimento de portagens vai chocar contra estes”.

Eixo Atlântico representa 36 autarquias

O presidente do Eixo Atlântico - que representa 36 autarquias portuguesas e espanholas - considera que na “lógica da euro região as novas portagens são um factor de atraso e de dificuldade da mobilidade”, sendo também um factor de “impedimento claro e nítido para a aproximação” entre Portugal e Espanha.

Abel Caballero garantiu esta não é uma “instituição reivindicativa” - posição reforçada pelo vice-presidente do Eixo Atlântico e presidente da Câmara do Porto Rui Rio - e que têm “um enorme respeito por todos os governos”, sendo as posições tomadas com base nesse mesmo respeito institucional.

“Nós tratamos de reflectir, e a longo prazo, porque levamos anos a impulsionar a aproximação e fazemo-lo à margem das polémicas políticas e dos acordos políticos que surgem em cada país e em cada momento. Não tem nada a ver com a política concreta no curtíssimo espaço de tempo”, garantiu ainda aquele responsável

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho