Correio do Minho

Braga, sábado

- +
Galos pragmáticos e eficazes Estão a um passo da manutenção
Católica recebe selo de verificação ‘Covid Safe’

Galos pragmáticos e eficazes Estão a um passo da manutenção

Mosteiro de Rendufe vai alojar unidade hoteleira turística

Galos pragmáticos e eficazes Estão a um passo da manutenção

Desporto

2020-07-06 às 06h00

Carlos Costinha Sousa Carlos Costinha Sousa

Gil Vicente só precisou de um golo apontado por Rodrigo e de muito esforço e determinação para conquistar a vitória sobre o Rio Ave, que praticamente permite garantir a permanência na I Liga.

Foi preciso apenas um golo, apontado por Rodrigo, para o Gil Vicente conquistar um importante triunfo sobre o Rio Ave e ficar a um pequeno passo de garantir a permanência na I Liga na próxima temporada.
A tarde foi de calor abrasivo no Estádio Cidade de Barcelos e o defesa brasileiro facturou aos 39 minutos, tendo esse remate de cabeça sido suficiente para os galos asseguraram três importantes pontos, num duelo em que actuaram em inferioridade numérica desde os 54, por expulsão de Rúben Fernandes.

O Gil Vicente recuperou o 11.º lugar, com 36 pontos, a nove de distância da zona de despromoção, ao passo que o Rio Ave continua com 47 pontos, marcou passo na luta pelo acesso às provas europeias e colocou o quinto lugar à mercê do Famalicão, que tem menos dois e se desloca hoje ao terreno do Tondela.

Carlos Carvalhal preservou a construção a três a partir de zonas recuadas, assumindo o controlo das operações para atrair a pressão do Gil Vicente e libertar espaço nas costas da linha média adversária, como atestou um contra-ataque conduzido na direita por Gelson Dala, aos 10 minutos, quando serviu o cabeceamento torto de Diego Lopes.
O ligeiro ascendente dos vila-condenses perdeu fulgor com a alteração precoce de Felipe Augusto pelo lesionado Al Musrati, aos 22 minutos, proporcionando conforto com bola aos pupilos de Vítor Oliveira, dependentes da rapidez de Baraye e Lourency e do dinamismo de Rúben Ribeiro para desenharem alguns ataques, mas sem efeitos práticos.

Penalizada pela elevada temperatura, a toada desinspirada e algo quezilenta arrastou-se após a pausa para hidratação, à meia hora, sendo desbloqueada através da bola parada, aos 39 minutos, num livre lateral de Rúben Ribeiro na direita, que foi correspondido nas alturas pelo central Rodrigo Prado, que foi mais além do que os defesas contrários e, de cabeça, não deu hipóteses ao guarda-redes Kieszek.

O Rio Ave reforçou a presença ofensiva ao intervalo e ameaçou a igualdade logo na primeira jogada da etapa complementar, graças ao pontapé forte de Gelson Dala, que passou perto do alvo, e deu o mote para uma atitude mais adiantada dos visitados, acentuada com a expulsão do capitão gilista Rúben Fernandes, aos 54 minutos.
Daqui para a frente o jogo assumiu uma toada única, com o Gil Vicente, em vantagem, a remeter-se mais ao seu sector recuado, parando constantemente o jogo, o que enervou ainda mais o Rio Ave que, apesar de ter criado algumas situações de perigo, nunca conseguiu confirmar e validar um golo e a vitória ficou mesmo para os minhotos.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho