Correio do Minho

Braga, sábado

Grupo Folclórico de Aveleda recria Romeirinhos e Botar das Almas
Twine Wine & Tapas aposta na simbiose perfeita entre vinho e a gastronomia

Grupo Folclórico de Aveleda recria Romeirinhos e Botar das Almas

Rui Teixeira: “Uso da bicicleta melhorou a economia e ambiente da cidade”

Braga

2018-09-21 às 08h00

Redacção

HOJE, o Grupo Folclórico de Santa Maria de Aveleda assinala o seu 55.º aniversário com a recriação da antiga tradição dos Romeirinhos à Senhora do Parto. Segue-se uma missa, e no final o Botar da Almas.

O Grupo Folclórico de Santa Maria de Aveleda celebra hoje o 55.º aniversário e para comemorar volta a recriar os Romeirinhos à Senhora o Parto. Trata-se de uma tradição muito antiga, recuperada por este grupo há alguns anos, e que recria a forma como as mulheres que davam à luz ‘pagavam’ as suas promessas a Nossa Senhora do Parto por esta lhes ter proporcionado “uma boa hora”.
Às 19.30 horas de hoje, o grupo de mulheres sai da sede do rancho e segue para a Capela do Encontro, em Mazagão, recriando os Romeirinhos.
Segue-se a celebração de uma eucaristia naquele templo, animada pela tocata do grupo folclórico.
No final da missa é reconstituída a tradição do Botar das Almas.
A festa termina na sede do grupo onde vai ser servido o bolo de aniversário.
O Grupo Folclórico de Aveleda teve a sua primeira apresentação a 22 de Setembro de 1963, no domingo que antecedeu a romaria a Nossa Senhora do Parto. Esta primeira actuação pública aconteceu na sequência do êxito da rusga que a junta de freguesia organizou para a noitada de S. João. Assim nasceu aquele que é considerado o segundo grupo folclórico mais antigo do concelho.
Entretanto, o grupo realiza há 33 anos o seu festival, o Festival de Folclore do Vale d’Este, um dos mais emblemáticos da região..
Em relação aos trajes e adornos, calçado e instrumentos, o grupo tem-se aperfeiçoado com a ajuda do cancioneiro minhoto de Joaquim Cândido da Mota Leite, que reflecte a realidade sócioeconómica da região no início do século XX.
Uma grande parte das músicas do grupo foi recolhida junto das pessoas mais idosas da freguesia e outros estão publicadas no livro Danças Regionais do Minho, edição do Grupo Folclórico Dr. Gonçalo Sampaio. Já os cantares também foram recolhidos junto de pessoas mais idosas da freguesia.
Este grupo conta já com um DC, um single e três cassetes gravados. Já actuou um pouco por todo o país e no estrangeiro apresentou-se em Espanha, França, e Alemanha.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.