Correio do Minho

Braga, quarta-feira

- +
Hospital de Braga já tratou 1 737 infectados
Santa Maria de Geraz do Lima amplia cemitério

Hospital de Braga já tratou 1 737 infectados

Famalicão chama jovens músicos para estágio em orquestra

Hospital de Braga já tratou 1 737 infectados

Braga

2021-03-05 às 06h00

Redacção Redacção

Primeiro caso suspeito deu entrada a 4 de Março de 2020. O dia mais crítico foi o de 1 de Fevereiro de 2021 com o hospital a registar 189 doentes.

O Hospital de Braga recebeu 1.737 doentes Covid-19 desde que em 4 de Março de 2020 ali deu entrada o primeiro caso suspeito, que viria a revelar-se positivo. Em declarações à Lusa, o coordenador da área Covid-19 do Hospital de Braga, Alexandre Carvalho, disse que o dia “mais complicado” foi 1 de Fevereiro, com um total de 189 doentes internados. “Chegámos a ter cinco enfermarias completamente dedicadas à Covid”, refere Alexandre Carvalho, num balanço do primeiro ano de epidemia no Hospital de Braga.
Actualmente, as coisas estão “bem mais calmas”, com 18 doentes em enfermaria e 22 em cuidados intensivos, até por força do confinamento imposto pelo Governo.

No entanto, Alexandre Carvalho apela a que não se baixe a guarda e a que o desconfinamento seja feito de forma planeada, com critérios “transparentes e claros”, para evitar surpresas desagradáveis.
“Penso que o mês de Abril será uma prova de fogo”, referiu.
No dia 4 de Março de 2020, deu entrada no Hospital de Braga o primeiro caso suspeito de Covid-19, uma mulher que dias depois viria ter resultado positivo para a infecção pelo novo coronavírus.
A partir daí, o número de entradas foi crescendo até Maio, mês em que se começou a registar uma significativa acalmia.

Com a chegada do Outono, o Hospital de Braga viveu um dos momentos críticos, fruto dos surtos registados na região Norte, sobretudo na zona do Tâmega e Sousa.
Outra subida “muito acentuada” registou-se em Janeiro deste ano, tendo nessa altura o Hospital de Braga recebido doentes também do Hospital Amadora-Sintra.
“Na primeira fase, foi mais fácil acudir à Covid-19, porque tínhamos mais gente disponível, uma vez que a restante actividade do hospital sofreu uma considerável quebra. Na segunda, o hospital manteve a actividade não Covid, o que exigiu muito mais de todos nós”, disse Alexandre Carvalho.

Pelo meio, na retina daquele responsável ficaram casos como o de uma mulher de 100 anos, que, após um internamento de cerca de 15 dias, saiu do hospital “toda contente”, livre da Covid.
Alexandre Carvalho lembra ainda o caso de um homem na casa dos 50 anos que deu entrada no hospital com Covid-19 e, pouco depois, começou a piorar e teve de ir para os cuidados intensivos.
“Tive de ir falar com ele, dizer-lhe que tinha de ir para os cuidados intensivos. Ficou em pânico, nem conseguia piscar os olhos. Mas em três dias recuperou e voltou para a enfermaria. Já vinha com uma expressão de alívio, de quem pensava que ia para o inferno mas que, afinal, regressou ao paraíso. Foi quase como um renascimento, uma ressuscitação”, referiu, confessando que este foi um episódio que o marcou.
Dos 1.737 doentes Covid-19 que já passaram pelo Hospital de Braga, 207 estiveram em cuidados intensivos.
O hospital de Braga realizou 83.930 testes a um total de 48.520 pessoas.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho