Correio do Minho

Braga, segunda-feira

- +
Investigador apresentou melhor tese em relações públicas
Quatro praias esposendenses ostentam Bandeira Azul

Investigador apresentou melhor tese em relações públicas

Sector de eventos continua sem apoios

Investigador apresentou melhor tese em relações públicas

Ensino

2019-10-15 às 08h04

Redacção Redacção

Ajudar as ONG’s a comunicar a todos os níveis é o tema da teoria apresentada por Evandro Oliveira, investigador do Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade da Universidade do Minho.

Evandro Oliveira, investigador do Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade (CECS) da Universidade do Minho (UMinho), venceu o prémio europeu para a melhor tese de doutoramento na área das relações públicas, com uma teoria independente sobre comunicação e sociedade civil. Evandro Oliveira foi distinguido em Zagreb, na Croácia, durante o 21.º Congresso da Associação Europeia de Educação e Investigação em Relações Públicas, que atribuiu o galardão em parceria com a Associação de Relações Públicas e Comunicação e com a Organização Internacional de Consultoria em Comunicações.
O prémio bianual visa honrar a excelência da investigação na área e estimular a discussão académica e os conhecimentos neste âmbito.

A tese distinguida, ‘Comunicação estratégica: a teoria instigatória da comunicação de organizações não governamentais’ (ONGs), foi defendida na UMinho e na Universidade de Leipzig (Alemanha), sendo escolhida por unanimidade pelo júri, presidido por Günter Bentele, primeiro catedrático em relações públicas da Europa. O júri destacou “a teoria independente e nova” apresentada no trabalho e o seu elevado nível em termos de “complexidade e adequação da teoria subjacente, estudos empíricos sofisticados, orientação e adequação à prática”.

“Este reconhecimento internacional mostra a qualidade das investigações do CECS e da UMinho, dá visibilidade à produção científica nacional e abre caminho a futuros projectos”, congratula-se Evandro Oliveira.
A tese é “a primeira teoria mundial que ajuda as ONGs a planificar e a comunicar a todos os níveis para cumprirem o seu propósito”.
Chamada teoria instigatória, propõe um modelo conceptual aplicado à gestão de comunicação e um modelo operacional cibernético adaptado a especificidades, diferenças, práticas e dinâmicas dessas organizações. Os modelos foram testados de forma mista, com pesquisa quantitativa em ONGs internacionais de direitos humanos e com entrevistas a peritos com mais de 20 anos de experiência no sector.

“A sociedade civil activa procura ajudar os cidadãos a participar na democracia e a ajudar à mudança social. Para isso, a comunicação não pode ser de cima para baixo. Há necessidade de participação e de congregação de ideias”, ressalta Evandro Oliveira.
O trabalho faz ainda o contexto histórico, comunicacional, sociológico e económico das ONGs internacionais, que serão mais de 31 mil no planeta. São igualmente propostos 16 princípios e a definição de relações cívicas, evidenciando o papel daquelas instituições intermediárias “imprescindíveis ao equilíbrio democrático”.
O estudo foi publicado em junho pela multinacional Springer.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho