Correio do Minho

Braga, quinta-feira

- +
Investigador do ICVS recebe prémio de 1ME
Conselho Municipal da Juventude povoense vai lançar OPJ (Orçamento Participativo da Juventude)

Investigador do ICVS recebe prémio de 1ME

Assembleia Municipal Jovem tomou posse com o intuito de promover cidadania ativa

Investigador  do ICVS recebe prémio de 1ME

Ensino

2023-11-25 às 12h31

Redacção Redacção

Novo dispositivo para regeneração de tecido nervoso afectado por lesões da espinal medula valeu a Nuno Dias, do Instituto de Investigação em Ciências da Vida, prémio da Fundação ‘la Caixa’.

Citação

Nuno Silva, do Instituto de Investigação em? Ciências da Vida e Saúde (ICVS) da Escola de Medicina (EMed) da Universidade do Minho foi um dos investigadores portugueses a vencer o prémio CaixaResearch de Investigação em Saúde 2023, iniciativa da Fundação ‘la Caixa’ que teve lugar anteontem em Barcelona.
O investigador minhoto garantiu o prémio de um milhão de euros com um projecto sobre lesões da espinal medula que baseia na criação de um novo dispositivo e tratamento de forma a regenerar o tecido nervoso levando a ganhos funcionais.

O projecto tem a colaboração do Laboratório Ibérico Internacional de Nanotecnologia (INL), que possibilita a interacção entre especialistas em biologia e tecnologia numa área onde será possível impulsionar soluções avançadas para a regeneração de lesões da espinal medula.
“Uma lesão na espinal medula pode, por exemplo, acontecer devido a um acidente de carro ou até num mergulho para uma zona com pouca profundidade, onde o osso da coluna vertebral se parte e vai esmagar a espinal medula. Uma das consequências deste tipo de lesões é que a informação gerada no nosso cérebro não será trasmitida eficazmente pela espinal medula, logo, a informação ficará retida na zona da lesão e, como tal, torna-se impossível que os músculos do nosso corpo receberem ‘as ordens’ para andar”, explicou o investigador.

“Todos os nossos orgãos situados abaixo do nível da lesão são também afectados podendo levar à incapacidade de controlar orgãos como a bexiga ou o intestino”, sublinhou Nuno Silva, que frisou que todo o trabalho da sua equipa “ irá perceber porque é que não há uma regeneração da medula após estas lesões, até ao desenvolvimento de novos tratamentos, como é o exemplo deste projecto que visa desenvolver um dispositivo que vai combinar várias terapias”.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que, anualmente, se registem entre 40 e 80 casos de lesões da espinal medula por um milhão de habitantes. Embora a taxa de sobrevivência destas pessoas tenha aumentado de forma significativa nas últimas décadas, este tipo de lesão continua a provocar perturbações neurológicas com enormes repercussões na vida dos individuos afectados. Embora existam tratamentos que permitem a recuperação parcial das funções neuronais, nenhum deles consegue reparar totalmente as áreas danificadas.

Deixa o teu comentário

Banner publicidade

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login Seta perfil

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a Seta menu

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho