Correio do Minho

Braga, segunda-feira

- +
Isabel Estrada Carvalhais relatora para dossier da pesca do atum
Faz falta o som dos peregrinos no Caminho até Santiago

Isabel Estrada Carvalhais relatora para dossier da pesca do atum

Aumento na tendência dos últimos dias

Isabel Estrada Carvalhais relatora para dossier da pesca do atum

Nacional

2019-12-10 às 08h03

Redacção Redacção

Posição do Parlamento Europeu sobre a celebração do protocolo que altera a Convenção Internacional para a Conservação dos Tunídeos do Atlântico será defendida por eurodeputada.

A eurodeputada portuguesa Isabel Estrada Carvalhais foi indicada pelo S&D - Aliança Progressista dos Socialistas e Democratas, como relatora para a posição do Parlamento Europeu relativo à decisão do Conselho quanto à celebração do Protocolo que altera a Convenção Internacional para a Conservação dos Tunídeos do Atlântico (ICCAT).
Esta Organização Regional de Pesca tem como objectivo gerir as pescarias de atum e espécies similares em todo o Atlântico.

O papel da eurodeputado será o de representar o S&D na elaboração do parecer do Parlamento Europeu, sobre uma proposta de adaptação do acordo internacional sobre as pescas ao direito europeu. No âmbito da Comissão das Pescas, a eurodeputada será a pessoa responsável deste grupo político na discussão e acompanhamento do dossier.
“A ICCAT é uma das várias organizações de pesca cujas decisões de gestão afectam directamente a frota de pesca de Portugal, sendo que as espécies de atuns e similares são das espécies mais capturadas pela nossa frota”, adverte Isabel Estrada Carvalhais.

Por outro lado, a eurodeputada lembra que o atum é uma das principais espécies utilizadas na nossa industria conserveira, em particular nos Açores, sendo que “também na indústria da transformação, as decisões de gestão terão influência directa, já que o objectivo desta Organização Regional de Pesca é o da gestão sustentável destes recursos oceânicos que têm que ser geridos internacionalmente”.
De destacar que a A União Europeia aderiu à Convenção em 1986, sendo que os Estados-Membros são representados pela Comissão Europeia como uma das 53 partes contratantes.

Entre 2013 e 2018 as diferentes partes estiveram em negociação com vista à introdução de algumas alterações da Convenção ICCAT, contudo, depois do acordo internacional há a necessidade de incluir alterações no direito da União Europeia.
As principais alterações agora introduzidas dizem respeito ao alargamento da convenção à gestão e conservação dos tubarões, à melhoria dos procedimentos de gestão e tomada de decisão, com clarificação das regras de voto e quórum nas reuniões, à melhoraria dos princípios de actuação e código de conduta das partes contratantes e à introdução de um mecanismo de resolução de conflitos entre as partes signatárias da Convenção.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho