Correio do Minho

Braga, sexta-feira

- +
Jornalistas assumem que orientaram comportamento dos cidadãos
Viana do Castelo investe 1,342 milhões de euros em 15 freguesias do concelho para melhorar abastecimento de água

Jornalistas assumem que orientaram comportamento dos cidadãos

Esposende distingue no Dia do Município três cidadãos, uma associação e dois grupos folclóricos

Jornalistas assumem que orientaram comportamento dos cidadãos

Braga

2020-06-29 às 12h00

Marlene Cerqueira Marlene Cerqueira

É a primeira vez em democracia que os jornalistas assumem que orientaram comportamentos dos cidadãos. Aconteceu no contexto da pandemia e terá sido fundamental para o rápido confinamento.

O primeiro inquérito sobre o impacto da Covid-19 no jornalismo em Portugal revela que 92% dos jornalistas tentaram orientar os cidadãos para comportamentos durante o Estado de Emergência, numa lógica de serviço público que pode ter contribuído para o controlo da pandemia.
Esta é uma das conclusões, ainda preliminares, de um inquérito a 200 jornalistas (entre jornalistas de saúde, editores, coordenadores e directores de órgãos de comunicação social nacionais) realizado pelo Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade (CECS) da Universidade do Minho e o CINTESIS - Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços de Saúde.
Felisbela Lopes, investigadora do CECS e coordenadora deste estudo, que juntou ainda Rita Araújo, Olga Magalhães e Alberto Sá, refere que os jornalistas, no regime democrático, “sempre se preocuparam em criar uma distância relativamente aos factos enunciados”, pelo que esta é a primeira vez que o jornalismo toma uma parte, o que acontece por “razões de saúde pública” e não para mudar ideologias.
A investigadora realça que este tomar de posição é assumido no jornalismo de saúde, aquele que, pela sua temática, tem mais impacto junto das pessoas.
“O papel assumido pelos jornalistas pode ter sido crucial para promover tão rapidamente o confinamento”, defende Felisbela Lopes.
Na cobertura noticiosa da pandemia notou-se também o aumento do recurso a fontes especializadas.
“Nas fontes, deixou de ter importância a notoriedade pública e passou a ser valorizada a sua especialização”, refere. A par disso, quer as televisões, quer os jornais, “tiveram a preocupação de intensificar a literacia e explicar às pessoas o que se ia passando em termos sanitários, mas também noutras temáticas que surgiram neste contexto”, como por exemplo as medidas de apoio anunciadas para a economia e que foi necessário explicar à população.
De acordo com as respostas dos jornalistas, o esforço para orientar os comportamentos dos cidadãos foi realizado através dos textos noticiosos (36% das respostas), mas também de infografias (29%) e caixas explicativas (29%), que tornaram a informação mais simples e com- preensível por parte de franjas mais largas da população.
A par das preocupações com o impacto que o seu trabalho teria no comportamento dos cidadãos, os jornalistas reportaram ter vivido “várias dificuldades”. 87% dos jornalistas, editores/ /coordenadores e directores testemunharam um crescendo de informação falsa durante pandemia, que tornou o processo de selecção das notícias mais complexo e moroso. Aliás, os problemas na triagem de informação credível sobre Covid-19 foram apontados por mais de metade dos jornalistas auscultados como a dificuldade mais importante que enfrentaram durante o Estado de Emergência, a clara distância da dificuldade seguinte – a falta de colaboração das fontes de informação.
Para combater a informação falsa, os jornalistas usaram essencialmente duas estratégias: o cruzamento da informação com fontes documentais e o pedi- do de explicações a uma fonte oficial ou especializada, sendo que cada uma delas somou quase metade das respostas dos inquiridos, como primeira esco-lha.
Essa necessidade de explicações adicionais pode justificar o elevado número de especialistas e académicos que surgiram no espaço público.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho