Correio do Minho

Braga, quarta-feira

- +
Limpe mas não queime só assim ajuda a ‘Cuidar Braga’
Investigadora da UMinho vence Medalha de Honra L’Oréal Portugal

Limpe mas não queime só assim ajuda a ‘Cuidar Braga’

Festa de Carnaval alegrou seniores da Póvoa de Lanhoso

Limpe mas não queime só assim ajuda a ‘Cuidar Braga’

Braga

2020-01-17 às 06h00

Teresa M. Costa Teresa M. Costa

Projecto ‘Cuidar Braga’ pretende ajudar a dar a solução aos sobrantes agrícolas e florestais. Objectivo é reduzir em 40 por cento as queimas e queimadas realizadas no concelho.

A Câmara Municipal de Braga espera reduzir, no espaço de dois anos, em 40 por cento, as queimas e queimadas realizadas na área do concelho dando às pessoas uma solução para os sobrantes agrícolas e florestais.
A solução está nos dois biotrituradores adquiridos pelo município e que serão postos ao serviço da população, de forma gratuita.
Trata-se do projecto ‘Cuidar Braga’, que ontem foi apresentado na Quinta Pedagógica, e através do qual o vereador do Ambiente e da Protecção Civil, Altino Bessa, espera ‘dar um salto gigantesco para prevenir incêndios de maior ou menor dimensão’.

O projecto ‘Cuidar Braga’ foi submetido e aprovado pelo ‘Fundo Recomeçar’, impulsionado pela Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, que garantiu um apoio financeiro na ordem dos 42 mil euros.
A verba foi aplicada pelo Município de Braga na aquisição de dois biotrituradores e numa campanha de sensibilização e divulgação do projecto junto da população.

O objectivo é dar uma solução ambientalmente correcta aos sobrante florestais e agrícolas, explicou ontem Altino Bessa, lembrando que depois de triturados podem ser utilizados como fertilizante.
As queimas e queimadas, que constituem um hábito da população no Norte e sobretudo no Minho, têm efeitos adversos na qualidade do ar, além do risco de incêndio que advém da sua realização, apontou o chefe da Divisão Municipal de Protecção Civil, Vítor Azevedo.
Mais de metade dos incêndios em Portugal decorrem de queimas e queimadas que se descontrolam, lembrou o vereador do Ambiente e da Protecção Civil.

Juntas de freguesia mobilizadas

Só no concelho de Braga foram registadas cerca de três mil queimas em 2019, ano que o registo passou a ser obrigatório para a realização de queimas fora do período crítico.
Esta realidade só se consegue contrariar com a mudança de comportamentos, assume o chefe da Divisão Municipal de Protecção Civil de Braga, Vítor Azevedo que enfatiza a importância da sensibilização. A campanha do Município, sob o mote ‘Limpe mas não queime’ de Braga pretende ir ao encontro das pessoas e explicar-lhes a vantagem do destroçamento em relação à queima.
As pessoas só têm que limpar e amontoar, solicitando depois o biotriturador, através da respectiva junta de freguesia, refere o responsável da Protecção Civil.
Vítor Azevedo realça que “as juntas de freguesia do concelho vão ser chamadas a participar e vão ter um papel preponderante”.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.