Correio do Minho

Braga, sexta-feira

- +
Luís Machado à espera de “local digno” para expor espólio
Zona central de Gavião ganha nova imagem com requalificação do adro da Igreja

Luís Machado à espera de “local digno” para expor espólio

Apresentação do Projeto Ciga Giro 8.a Geração no Município de Vila Verde

Luís Machado  à espera de  “local digno” para expor  espólio

Braga

2021-04-15 às 08h00

Patrícia Sousa Patrícia Sousa

Depois de cinco anos em exposição, o fotógrafo Luís Machado espera que a cidade encontre um “local digno” para expor espólio que coleccionou durante a vida.

As portas abriram-se para cerca de sete mil pessoas ao longo dos últimos cinco anos. A exposição ‘150 Anos de Fotografia’, uma montra com 500 máquinas e artigos fotográficos de um acervo único que Luís Machado foi coleccionando ao longo dos anos, ia estar patente ao público durante um mês e meio. O sucesso foi tanto que esteve cinco anos. Luís Machado, profissional da fotografia toda a vida, espera agora que o espólio “não fique guardado em caixotes na garagem”, mas que se encontre “um espaço digno” na cidade para o mostrar permanentemente.
A exposição esteve patente nas antigas instalações da Farmácia Santos, no n.º 202, na Rua de S. Vicente, até o início deste mês. Foram muitos os alunos de inúmeras escolas que visitaram a exposição o que deixou Luís Machado “orgulhoso”. “A exposição ia estar patente cerca de um mês e meio, mas esse tempo só dava para mostrar as máquinas e depois teria de arrumar tudo outra vez. As coisas proporcionaram-se e acabei por fazer durante estes cinco anos o que eu sempre quis: contar aos mais novos a história da fotografia e explicar-lhes todo o processo e evolução”.
Luís Machado começou a coleccionar o espólio de máquinas fotográficas há mais de 40 anos, altura em que começou a interessar-se ainda mais pelas peças mais antigas, muitas delas verdadeiras ‘relíquias’. “Este espólio fui adquirindo, fui arranjando, fui limpando e pintando ao longo de décadas”, confidenciou o fotógrafo.
A máquina fotográfica mais antiga que possui data de 1850 e “é majestosa, pelo espaço que ocupa, mas também pela beleza do seu figurino, pelo seu fole magnífico e chassis de grande qualidade”
Agora que voltou a colocar todo o espólio em caixotes na garagem, o fotógrafo espera que se encontre na cidade um “local digno” para expor tudo aquilo que foi coleccionando durante a vida.
Luís Machado adiantou que já falou com o presidente da Câmara Municipal de Braga sobre o assunto, estando a aguardar por uma resposta. “Ficou de estudar a situação e estou à espera que diga alguma coisa”, apelou o fotógrafo, garantindo que todo o espólio agora guardado “tem pés para andar”.
Luís Machado deixou o recado: “a cidade não se pode dar ao luxo de fazer de conta que não tem a melhor exposição que existe a norte do Porto”.
Havendo pelo menos duas associações do concelho interessadas, o fotógrafo bracarense sugeriu ainda que o espaço que poderá vir a acolher este espólio dedicado à fotografia pode contemplar outros coleccionadores e outras temáticas.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho