Correio do Minho

Braga,

- +
Manuel Oliveira hoje no Theatro Circo
Ponte de Lima: Explosão na Escola Superior Agrária feriu duas funcionárias da cantina

Manuel Oliveira hoje no Theatro Circo

Espaço Cidadão de Lanheses aproxima os cidadãos dos serviços públicos essenciais

Manuel Oliveira hoje no Theatro Circo

Braga

2021-10-22 às 12h00

Rui Serapicos Rui Serapicos

Viola Braguesa é instrumento que o guitarrista de Guimarães explora no projecto ‘Entre Lugar’, em que se propõe homenagear o pai e também “os pais musicais” Paco de Lucia e Zeca Afonso.

‘Rosinha dos Limões’, pela voz de Marco Rodrigues, ou de Zeca Afonso ‘Venham mais Cinco’ em versão instrumental são canções a ouvir hoje à noite no Theatro Circo. O guitarrista Manuel de Oliveira apresenta ao vivo o seu projecto ‘Entre-Lugar’, que foi desenvolvendo durante o tempo de pandemia.
‘EntreLugar’ é uma viagem musical que começou em trio, com João Frade (acordeão) e Sandra Martins (violoncelo). Conta com as participações especiais do fadista Marco Rodrigues, do baterista Marito Marques e das Maria Quê.
É um disco dedicado ao seu pai e mestre, o guitarrista Aprígio Oliveira, mas também —como frisou em declarações que prestou ao Correio do Minho, é também dedicado “aos meus pais musicais que são o Paco de Lucia e o Zeca Afonso”.
Se a ‘Rosinha dos Limões’ e o ‘Venham mais Cinco’ são temas que o público vai identificar, o resto vai ser quase tudo novo, com temas como ‘O Sopro’ (ver destaque à direita) e ‘Nem Ventos nem Madrugadas’, ambos com a voz de Marco Rodrigues. No âmbito instrumental, ‘Neia’ — é um dos temas a ouvir hoje à noite. Embora predominantemente dedicado a apresentar ‘EntreLugar’, no espectáculo de hoje Oliveira deverá também revisitar alguns temas do seu ‘Iberia’ que em breve vai assinalar os 20 anos da sua edição e de ‘Amarte’.
Quando lhe perguntamos se, por actuar quase em casa, espera ver na sala muitos amigos de Guimarães, o guitarrista, que em 2018 voltou à cidade-berço, assume que sim, lembrando que na anterior ocasião em que actuou noTheatro Circo contou com a presença de gente de Guimarães e também de Braga. “Tenho recebido feed-back de gente de Guimarães que me diz que vai estar”, adiantou .
Após ano e meio em que a situação pandémica condicionou, de forma dramática as salas de espectáculo, este é o regresso do contacto de Manuel de Oliveira com o público, apresentando-se ao vivo em Lisboa, no passado dia 19 (no Teatro Maria Matos), seguindo-se, hoje, em Braga, no Theatro Circo e amanhã em , Castelo Branco.
Sobre a braguesa, instrumento que explora neste trabalho, o vimaranense conta-nos que “nunca tinha estudado o instrumento como tinha feito com a guitarra, mas estou até a compor muito com a braguesa”.
O guitarrista conta-nos um episódio curioso: “ofereci ao Carles Benavente (baixista catalão) uma braguesa feita pelo senhor Domingos Machado, de Braga, o Benavent mostrou-a ao Paco de Lucia, que ficou com ela e, no último disco que ele lançou, antes de morrer, tocou a braguesa. Não vem referida nos créditos do disco, porque quando o Paco faleceu não estavam feitos: apenas se referem violas e bandolins; mas sim, foi identificado o som da braguesa construída pelo senhor Domingos Machado, no último disco de Paco de Lucia”.
Ibérico, Manuel de Oliveira entrega às suas composições os reflexos da a alma peninsular que lhe corre nas veias mantendo, contudo, latente, um certo culto intemporal, pelas suas origens e tradições, mas também abrindo-se ao jazz e outras músicas do mundo. Pat Metheny, Al di Meola ou John McLaughlin são músicos que o vimaranense admite apreciar.
Do seu currículo destaca-se a edição internacional do álbum ‘Amarte’ ­ da presença em alguns dos mais importantes festivais europeus - ‘Emociona Jazz!!’ (Espanha) e ‘Couleurs Jazz’ (França), ao lado de nomes como Brad Mehldau, Chick Corea, Mike Stern e Richard Galliano, entre muitos outros.
Manuel de Oliveira concebeu ‘Os Nossos Afectos’, especta?culo da cerimo?nia de abertura da Guimara?es 2012 - Capital Europeia da Cultura, com Cristina Branco, Chico Ce?sar e Ra?o Kyao.
Também criou o tema ‘Nicolinas’, inspirado numa das principais tradições da cidade-berço
O mais recente ‘Ibe?ria Live’, com os conceituados mu?sicos fundadores do Flamenco Jazz - Jorge Pardo e Carles Benavent, esgotou o CCB e Casa da Mu?sica em 2016.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho