Correio do Minho

Braga, terça-feira

- +
‘Mão Morta’ musicam filme mudo no GNRation
Viana do Castelo aprova reduções de impostos e taxas

‘Mão Morta’ musicam filme mudo no GNRation

Galeria do Theatro Club acolhe XXIV Exposição Aberta de Artes Plásticas da Póvoa de Lanhoso

‘Mão Morta’ musicam filme mudo no GNRation

Braga

2020-01-17 às 11h38

Redacção Redacção

A banda ‘Mão Morta Redux’ musica, hoje, às 22.30 horas, o filme ‘A Casa na Praça Trubnaia’’ - uma obra-prima do cineasta soviético Boris Barnet.

Os ‘Mão Morta Redux’, versão reduzida do grupo bracarense, musicam, hoje, um filme clássico do cinema mudo soviético. A iniciativa cultural vai ter lugar às 22.30 horas no espaço GNRation.
‘Mão Morta Redux: A Casa na Praça Trubnaia, de Boris Barnet’ é o primeiro espectáculo do programa do GNRation para o primeiro trimestre do ano. A entrada custa nove euros.
A partir de uma encomenda para a 4.ª edição do Festival de Cinema Close-Up, os Mão Morta criaram uma nova banda-sonora para o filme ‘A Casa na Praça Trubnaia’, obra-prima do cineasta soviético Boris Barnet, um outsider do cinema mudo soviético. O filme-concerto é composto e tocado ao vivo por Adolfo Luxúria Canibal, António Rafael e Miguel Pedro, que se apresentam enquanto Mão Morta Redux, um formato reduzido que marca um regresso ao período em que o grupo era constituído por apenas três elementos.

Em ‘A Casa na Praça Trubnaia’, Boris Barnet conduz-nos por uma sátira à hipocrisia da pequena burguesia, que sobrevivera na URSS à Revolução e que continuava, sorrateiramente, a explorar os necessitados. Através da comédia, o cineasta mostra a história da casa, e dos seus habitantes, para onde Parasha Pitunova (Vera Maretskaya) foi trabalhar como empregada doméstica, acabada de chegar a Moscovo e vinda da província.
Formados em 1984 por Joaquim Pinto, Miguel Pedro e Adolfo Luxúria Canibal, os Mão Morta construíram um dos percursos mais sólidos e importantes do rock nacional, tornando-se num grupo de culto e um dos mais respeitados pelo público português. Ao longo de mais de três décadas de existência, editaram 12 álbuns de estúdios e 7 discos gravados ao vivo.
Em 2019, editaram ‘No Fim Era o Frio’, um novo disco que parte da criação de um espetáculo de dança contemporânea e considerado como um dos melhores discos do ano.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho