Correio do Minho

Braga, quinta-feira

- +
Mariana Machado de bronze nos Europeus
Festival no Feminino renasce no Theatro Circo com cinco artistas latinas

Mariana Machado de bronze nos Europeus

‘Romance Palaciano’ levou sabores da marca Namorar Portugal ao Palácio da Brejoeira - Monção

Mariana Machado de bronze nos Europeus

Desporto

2019-12-09 às 13h00

Redacção Redacção

Bracarense conquistou o terceiro lugar no escalão júnior do Campeonato da Europa de Corta-Mato, que se realizou em Lisboa.

A Guerreira do Minho, Mariana Machado, conquistou ontem a medalha de bronze nos europeus de corta-mato e assumiu que se deixou levar pela emoção nos metros finais da prova que decorreu em Lisboa.
“Tenho de admitir que fui para a frente levada pela emoção. Queria chegar em primeiro e sentir o público a chamar por mim. Deixei-me levar pela emoção e pelo ambiente. Quando as outras atletas atacaram, ressenti--me, as pernas estavam cansadas, e os últimos metros foram com o coração”, disse a atleta lusa, que chegou a liderar a prova no Parque da Bela Vista.
Ainda assim, a jovem atleta de 19 anos, mostrou-se muito contente pelo resultado alcançado e garantiu que é consequência de muito trabalho. “Não vou mentir, estava à espera de medalha. Estava em boa forma para a conseguir e foi a de bronze. Gostava de ter conseguido ouro ou prata, mas é mesmo assim. Estou satisfeita, porque consegui o meu grande objectivo, que era conseguir uma medalha. Foi uma medalha para a qual lutei muito e treinei bastante”, afirmou.
Sobre o percurso bastante acidentado e pesado, depois de uma noite de chuva na capital, Mariana Machado revelou que não é o seu tipo de terreno preferido, mas tirou vantagem da preparação específica que fez. “Sou uma atleta mais rápida, mais de pista e assumo que ter conhecimento do percurso foi uma vantagem, pois pude treinar para este tipo de percurso e fizemos muito trabalho técnico”, referiu.
Sobre o futuro, a filha de Albertina Machado, antiga atleta lusa, diz que levar uma medalha dos Europeus de corta-mato é um “incentivo” e pediu mais apoio aos clubes.
“Qualquer medalha é um incentivo, porque sabemos o quão difícil é conseguir este resultado e o quanto temos de trabalhar diariamente. Eu sei que os portugueses não sabem isso, mas a verdade é que trabalhamos muito, e para ganhar uma medalha destas temos de treinar muito, abdicar da vida pessoal, social e familiar. É preciso mais apoio dos clubes”, concluiu a também estudante de medicina, depois de assumir que tem sido “difícil” conciliar a vida académica com a carreira no atletismo.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.