Correio do Minho

Braga, terça-feira

- +
Ministra não se compromete com Hospital de Barcelos
Comunidade surda solicita a contratação urgente de Intérpretes

Ministra não se compromete com Hospital de Barcelos

Vizela: desinfeção diária dos contentores de lixo

Ministra não se compromete com Hospital de Barcelos

Cávado

2019-12-07 às 06h00

Redacção Redacção

Marta Temido, ministra da Saúde, não se comprometeu, ontem, com o pedido do presidente da Câmara Muicipal de Barcelos para que o governo inscrevesse o Hopistal de Barcelos no próximo Orçamento de Estado de 2020.

O presidente da Câmara Municipal de Barcelos, Miguel Costa Gomes, pediu, ontem, à ministra da Saúde, que inscrevesse o Hospital de Barcelos no próximo Orçamento de Estado para 2020, considerando-a “uma necessidade” para responder não só aos barcelenses, mas a toda a população que recebe diariamente. Marta Temido respondeu que é tudo “uma questão de prioridades”.
O pedido do autarca de Barcelos à ministra da Saúde foi feito durante a abertura do I Congresso Internacional Recovery Portugal, organizado pela Associação Recovery Portugal, sedeada em Barcelos.
“Na Câmara Municipal estamos definitivamente prontos para fazer a parte que nos corresponde”, garantiu o autarca barcelense, apontando para a possibilidade de “num novo governo” e “num novo orçamento” o projecto do novo Hospital de Barcelos pudesse ser concretizado, até porque este é já o seu último mandato e é uma obra que, pelo menos, gostaria de ver arrancada.
O presidente da Câmara de Barcelos pediu à ministra da Saúde para inscrever seis ou sete milhões de euros no OE de 2020 para que o novo Hospital pudesse ser iniciada, alertando para as “condições limitadas” em que trabalham os profissionais de saúde actualmente. “Sentir-me-ia muito feliz que o Hospital de Barcelos tivesse início antes de acabar o mandato”, disse Miguel Costa Gomes, sensibilizando a governante.
Mas em resposta ao autarca barcelense, Marta Temido disse que é preciso ver “onde é que os portugueses e portuguesas consideram prioritário pôr os seis ou sete milhões de euros”.
“É tudo uma questão das prioridades, não é quer dizer que as escolhas não venham a ser feitas, mas é preciso ver por onde vamos começar o ano de 2020”, disse Marta Temido, indicando que neste momento o OE 2020 está a ser preparado e que não se pronunciaria sobre o documento.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho